‘Podemos reverter isso’, afirma Muricy de volta ao São Paulo. Treinador tem bom histórico no 2º turno em brasileiros

11 09 2013

Técnico vai ter que melhorar o aproveitamento do time em quase 20% para afastar definitivamente a chance de rebaixamento

Por Diogo Arraes e Diogo Belley

Muricy Ramalho é o novo técnico do São Paulo e foi apresentado nesta última terça-feira (10). Ele substitui Paulo Autuori, que ficou no cargo quase dois meses, mas os resultados positivos não vieram.

Em sua terceira passagem pelo Tricolor, Muricy encontra um time bem diferente de sua última oportunidade. A equipe está na zona de rebaixamento, na 18ª posição, com 18 pontos. E teve um aproveitamento de 31,6% no 1º turno. Apesar disso, o comandante confia numa virada na segunda etapa do campeonato.

– Não pode ter medo, tem que trabalhar. O Felipão fez seu melhor e ganhou a Copa do Brasil (pelo Palmeiras no ano passado). Achei que poderia contribuir, por isso que aceitei. Senão poderia ter ido pro Catar, pois estavam me convidando. Estou muito acostumado a ficar muito tempo nos clubes. Claro que o São Paulo passa por um mal momento, mas podemos reverter isso e fazer um planejamento para o próximo ano – disse Muricy ao Estadão.

O técnico e seus comandados terão um objetivo, chegar aos 46 pontos. Para isso, o São Paulo precisa conquistar 28 pontos dos 57 que estarão em disputa no 2º turno e obter um aproveitamento de 49,1%. Mesma porcentagem do Coritiba, por exemplo. O time do Paraná teve 7 vitórias, 7 empates e 5 derrotas, no 1º turno.

Essa margem de 46 pontos é retirada de uma base que desde 2006 (quando o campeonato passou a ter 20 times) e quatro rebaixados, nenhuma equipe caiu com no mínimo esse patamar de pontuação.

Cada campeonato tem a sua história. No ano passado o último rebaixado foi o Sport, na 17ª posição, com 41 pontos. Se a base for essa, o time que chegar aos 42 ou 43 pontos pode ser que escape da zona da degola. Os matemáticos já começaram os cálculos para este campeonato de 2013.

Probabilidades para o Campeonato Brasileiro de 2013 (Arte: UOL)

Probabilidades para o Campeonato Brasileiro de 2013 (Arte: UOL)

Retrospecto de Muricy no São Paulo é favorável

O São Paulo vive um momento totalmente diferente daquele que passou quando foi tricampeão brasileiro sob o comando de Muricy. Brigas políticas, rusgas internas entre diretoria e jogadores, atletas afastados e muitas outras coisas.

Entretanto, o técnico que começou a sua carreira de jogador e treinador no Tricolor tem um histórico muito animador para os torcedores e dirigentes que apostam suas fichas nele para tirar o time dessa zona de rebaixamento definitivamente.

Muricy emocionado com o tricampeonato brasileiro (Foto: Gazeta Press)

Muricy emocionado com o tricampeonato brasileiro (Foto: Gazeta Press)

O primeiro brasileiro disputado e conquistado por Muricy no comando do São Paulo foi em 2006. Em 19 jogos no 2º turno daquele ano, o time conseguiu fazer 40 pontos. Média superior ao que precisa agora. A diferença é que a equipe tinha terminado o 1º turno na primeira posição, com 38 pontos.

Em 2007 veio a segunda conquista, diferentemente da primeira o Tricolor terminou o 1º turno com 39 pontos, também na liderança, mas no 2º turno acabou somando menos, 38 pontos, total de 77. Também pontuação e aproveitamento acima do que necessita atualmente para a segunda etapa da competição.

Por fim chegamos a 2008, ano do tricampeonato e consagração de Muricy Ramalho como técnico do São Paulo. O time havia ficado em 4º lugar no 1º turno com 33 pontos. Logo na primeira partida do 2º turno, o São Paulo perdeu do Grêmio, que era o líder, e ficou a 11 pontos do time gaúcho.

Depois disso, o time teve uma arrancada fenomenal e somou 42 pontos no 2º turno, com 12 vitórias, 6 empates e 1 derrota. Com um total de 75 pontos, o Tricolor chegou ao terceiro título seguido e Muricy Ramalho entrou para sempre na galeria de treinadores notáveis da história do São Paulo.

Muricy Ramalho tentará novamente uma façanha. Talvez tão difícil quanto os três Campeonatos Brasileiros que ganhou em sequência, resgatar a alto estima de jogadores, o bom futebol e motivá-los para uma nova empreitada nesse 2º turno. Afinal, como ele mesmo diz, “Aqui é trabalho, meu filho!”.

TRABALHO A CURTO PRAZO

Em 2006, o técnico Muricy Ramalho chegou ao São Paulo e sagrou-se tricampeão brasileiro. O trabalho dele ficou caracterizado por dar resultados a longo prazo, já que por muitas vezes ele balançou no cargo do comando tricolor pelo mau rendimento da equipe nos primeiros semestres dos anos à frente do time, não conseguindo bons resultados na Copa Libertadores e no Campeonato Paulista.

Gesto característico mostrando que o treinador tem "sangue na veia" (Foto: Terra)

Gesto característico mostrando que o treinador tem “sangue na veia” (Foto: Terra)

Os dois últimos clubes do treinador foram Fluminense e Santos. E neles, diferentemente, conseguiu obter resultados imediatos. Na equipe das Laranjeiras, ele chegou em abril de 2010 e rapidamente montou o esquadrão que viria a ser campeão do Campeonato Brasileiro daquele ano, liderando o torneio quase que inteiro, de ponta à ponta.

Pelo Peixe não foi diferente. Muricy substituiu Adilson Baptista e logo venceu o Campeonato Paulista e a Libertadores da América. No entanto, a semelhança entre os dois trabalhos não param por aí. Após as repentinas vitórias, o técnico não conseguiu permanecer com a boa sequência nos dois clubes e acabou saindo. Situações inversas ao que se deu no Morumbi.

Agora, com o São Paulo na zona de rebaixamento, ele terá de manter o retrospecto inicial que teve por Fluminense e Santos para salvar o time de um vexame histórico. A identificação dele com clube é inegável, mas é necessário trabalho, como ele mesmo gosta de dizer. Resultados em tempo curto que o caracterizaram nos últimos anos e a montagem de grandes elencos que fizeram dele tricampeão brasileiro serão fundamentais para que Muricy tenha vida longa no clube de coração. Resta esperar.





Autuori prevê dificuldades para recuperação do São Paulo no Brasileirão

2 08 2013

Técnico exalta comportamento do time durante excursão para reverter crise

Por Luiz Queiroga

Autuori tem procurado aproveitar ao máximo excursão do São Paulo no exterior
(Foto: Divulgação/São Paulo)

Por mais que o São Paulo tenha ficado em último na Copa Audi, após ser derrotado pelo placar mínimo para o Milan, nessa quinta-feira (1), o técnico Paulo Autuori tem visto com bons olhos a excursão do time no exterior. Para ele, por mais que haja o desgaste físico, a experiência tem sido boa para todo o elenco, que está ganhando confiança e poderá reverter a crise estabelecida no Morumbi.

– A viagem está nos exigindo muito sacrifício e nós vamos sofrer para sair dessa situação no Campeonato Brasileiro. Mas o elenco está encarando isso de frente e alguns jogadores souberam aproveitar as oportunidades para ganhar espaço e confiança para seguir adiante – declarou ao site oficial do clube.

As derrotas por placares apertados contra Bayern de Munique e Milan na Copa Audi reforçam como a defesa tem se portado bem com a chegada de Autuori no comando. O empate sem gols contra o Corinthians, no último domingo (28), mostrou como o treinador conseguiu acertar o que era a dor de cabeça da torcida do São Paulo.

Se atrás o time demonstrou melhora, do meio para frente é preciso de mais evolução. Por mais que tenha perdido contra o Milan, o Tricolor foi mais ao ataque em comparação ao jogo contra o Bayern, no qual se preocupou apenas em defender. Autuori terá bastante trabalho pela frente, mas usará bem os próximos compromissos internacionais em Portugal e no Japão para tirar pontos positivos para o retorno no Brasileirão.

– Estou aproveitando esse período para rodar o elenco. Até mesmo pela necessidade, nós estamos usando todos os atletas e eles estão ganhando espaço com isso. Precisamos muito da entrega dos jogadores nesse momento e eles não estão fugindo disso – comentou.





Presidente do São Paulo confirma que Lúcio será negociado

31 07 2013

Juvenal Juvêncio enfatizou decisão tomada por Paulo Autuori, que reclamou da postura do zagueiro

Por Luiz Queiroga

Juvenal Juvêncio pretende negociar Lúcio (Foto: Bruno Santos/Terra)

O zagueiro Lúcio chegou ao São Paulo como novo xerife da defesa tricolor, mas está próximo de sair pelas portas do fundo do Morumbi. Após especulações sobre o futuro do jogador, o presidente Juvenal Juvêncio admitiu que o clube irá vende-lo. Segundo o mandatário, a decisão foi tomada após o desentendimento do atleta com o técnico Paulo Autuori:

– Não sou diplomático nas minhas respostas. Nunca fui e nunca serei. Nós vamos fazer uma negociação com o Lúcio, vamos negociá-lo. Ele teve um probleminha com o técnico, e a partir daí vamos aproveitar depois dessa semana para termos essa conversa. Tínhamos tido uma sondagem, agora vamos ver se isso é factível – revelou ao “LANCE!Net”.

Lúcio não poderá atuar por outra equipe do Campeonato Brasileiro por já ter entrado em campo em 10 oportunidades pelo São Paulo. Restou então o futebol do exterior e especula-se que o Oriente Médio pode ser o destino do zagueiro. Pela carreira vitoriosa vivida na Europa, o jogador acredita que terá uma nova oportunidade por outra equipe, mesmo com 35 anos.

COPA AUDI: São Paulo se espelha em passado vitorioso
para bater gigantes europeus

A possibilidade de rescindir o contrato de Lúcio, porém, não é vista como opção para Juvenal, já que o clube terá que pagar uma multa.

– Aí é avançar muito. Como prejudica o clube, prefiro achar que nós podemos negociá-lo – disse.

Autuori não aceitou postura de zagueiro no clube

Lúcio prejudica a “saúde” do vestiário (Foto: Daniel Teixeira/Estadão)

Campeão por Bayer Leverkusen, Bayern de Munique, Inter de Milão e pela seleção brasileira, Lúcio foi contratado pela diretoria para ser o líder que a defesa necessitava, mas não vingou. Por mais que prejudicasse o desempenho da equipe, o até então diretor de futebol Adalberto Baptista defendia a permanência dele no time titular, o que gerou problemas de desentendimento com o técnico na época Ney Franco, que reclamava internamente da postura do experiente defensor.

Com a chegada de Paulo Autuori ao São Paulo, o novo treinador resolveu dar uma chance para o zagueiro, mas a má conduta demonstrada na primeira imposição de Autuori fez com que o técnico não cometesse o mesmo erro do clube e o afastou.

– O Lúcio eu pude trabalhar com ele em 1999, no Internacional. Agora nos reencontramos no São Paulo. Como técnico, temos que sempre tomar decisões, simples ou complexas, drásticas ou não. Há uma diferença muito clara de necessidade e vontade pessoal. Infelizmente, isso não aconteceu com o Lúcio, e a decisão é de minha inteira responsabilidade de ele não ter jogado contra o Corinthians e viajado para cá. As decisões têm de ser tomadas e tomei consciente de que o mais importante é a saúde do grupo e do vestiário – explicou.





Autuori barra Lúcio e zagueiro não joga Majestoso

26 07 2013

Técnico de São Paulo optou por manter o defensor trabalhando à parte o condicionamento físico;  Toloi e Paulo Miranda formarão dupla titular contra o Corinthians

Por Luiz Queiroga

Sem vida fácil! Autuori barrou Lúcio para o clássico contra o Corinthians (Foto: LANCE!Press)

O cenário no qual vive o zagueiro Lúcio no São Paulo é bastante diferente do projetado pelo próprio jogador e pela diretoria meses após a chegada dele ao Morumbi. O técnico Paulo Autuori resolveu não convocar o defensor para o clássico diante do Corinthians, próximo domingo (24), e o manteve treinando em separado no CT da Barra Funda acompanhado do preparador físico Sérgio Rocha, na manhã desta sexta-feira (26). Com a decisão, o treinador vai escalar a defesa tricolor com Rafael Tolói e Paulo Miranda.

– Conversamos ontem, foi uma opção. Não vai jogar. A decisão foi minha e foi tomada ontem. Jogam Toloi e Paulo Miranda – explicou o comandante.

Contratado como principal jogador para esta temporada e como xerife para comandar a defesa, Lúcio não emplacou como o esperado e atualmente é alvo da torcida e criticado pela diretoria. Paulo Autuori comentou a respeito das subidas ao ataque, características dele, principalmente na seleção brasileira, mas que não vem tendo sucesso no São Paulo. A última investida dele para a meta adversária, inclusive, resultou no gol da vitória do Internacional, última quarta-feira, em pleno Morumbi.

Sem tempo para ajustar a equipe como deseja, barrar Lúcio foi a melhor opção vista por Autuori para resolver o problema da defesa, que já sofreu 14 gols em 10 jogos no Campeonato Brasileiro.

– Acho que isso diminuiu muito, mas continua acontecendo. Às vezes, perdemos posição por muita volúpia, vontade de fazer as coisas. Temos de manter as posições. Por enquanto, o que eu posso fazer é pedir, porque não temos tempo. Minha angústia é não poder ir a campo para treinar  – esclareceu.

O São Paulo enfrenta o Corinthians no Pacaembu, às 16h (de Brasília), no Pacaembu, próximo domingo.





São Paulo busca se acertar para a decisão da Recopa

17 07 2013

Jadson treina e deve jogar, Clemente Rodríguez depende de efeito suspensivo para enfrentar o Corinthians

Por Matheus de Andrade

Autuori ganhou o reforço de Jadson nesta terça (Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)

Em uma fase complicada, o São Paulo parece ter recebido uma boa notícia. O meio campista Jadson, que estava fora do time por conta de uma torção, treinou hoje e está liberado para enfrentar o Corinthians nesta quarta feira (17), pela Recopa Sulamericana. O favorito a sair do time para a entrada dele é Ganso, que fez mais uma apagada partida diante do Vitória, domingo no Barradão. Luís Fabiano é outro que volta ao time, o jogador não enfrentou o rubro negro por conta da suspensão que levou após ser expulso contra o Bahia.

Clemente Rodríguez também foi expulso contra o Bahia, no entanto, deve ficar de fora da partida de amanhã por conta de uma punição imposta de CONMEBOL de quatro partidas, enquanto ainda atuava pelo Boca. O São Paulo tenta obter o efeito suspensivo, mas as chances do lateral atuar são mínimas.

Mesmo assim há possibilidades de Juan não ser o titular da posição na próxima partida, o jogador, muito contestado pela torcida, pode dar lugar a Reinaldo, oriundo do Sport. O clube paulista busca manter Paulo Miranda para o setor, o Olympique inclusive o anunciou, mas as dificuldades enfrentadas pelo tricolor devem fazer com que o jogador continue no Brasil. O  São Paulo ofereceu um aumento de salário e uma compensação aos empresários que detém a maior parcela do atleta.

A equipe que deve enfrentar o Corinthians ainda tem duas maiores indefinições, Ganso pode jogar no lugar de Aloisio, e a situação na lateral, são as grandes duvidas de Autuori, portanto a base do time deve ser a seguinte: Rogério Ceni, Douglas, Lúcio, Rafael Toloi e Juan (Reinaldo); Wellington, Denilson e Jadson; Osvaldo, Luis Fabiano e Aloísio (Ganso).





‘Não vim para ser amado’, diz Autuori, em apresentação no São Paulo

11 07 2013

Após quase oito anos, treinador volta ao clube ‘para ser campeão’; estreia deverá ser contra o Vitória

Por Pedro Orioli

Paulo Autuori em apresentação oficial no São Paulo FC (Foto: Divulgação)

Após oito anos, o técnico Paulo Autuori está de volta ao São Paulo. O treinador foi apresentado nesta quinta-feira (11) pelo presidente Juvenal Juvêncio e pelos diretores Adalberto Baptista e João Paulo de Jesus Lopes. Autuori afirmou não se importar com a rejeição de parte da torcida e disse que ele próprio escolheria Muricy Ramalho, nome gritado frequentemente das arquibancadas, como técnico da equipe:

– O Muricy fez uma grande obra aqui. Não é fácil ganhar o Campeonato Brasileiro três vezes seguidas. Se eu participasse dessa enquete, também votaria no nome dele, porque é um treinador top, vencedor –  disse o técnico, que volta ao São Paulo com a esperança de que o clube retorne a rotina de títulos: – Não vim para ser amado, vim para ser campeão.

MAIS: Veja os aspectos que pesaram na contratação de Paulo Autuori, pelo São Paulo

Após a curta mas vitoriosa passagem pelo São Paulo, em 2005, Paulo Autuori só conquistou dois títulos, pelo Al-Rayyan, do Qatar, e ao ser perguntado sobre isso, o treinador não escondeu a necessidade de voltar a conquistas torneios e a alegria de retornar a comandar o time do Morumbi:

– Sempre tenho que provar muita coisa, não aos outros, mas a mim mesmo. Não quero ser melhor do que ninguém, mas tenho que ser melhor do que eu sou, tanto no aspecto pessoal quanto profissional. Essa é uma luta diária, um desafio.

– No mais, é com muita satisfação que regresso a essa instituição grandiosa, com grande objetivo, dentro da minha ínfima parcela, dar meu contributo, como da outra vez pude dar. São situações diferentes. Em comum, apenas a grandiosidade da instituição São Paulo Futebol Clube. Para qualquer profissional, é uma honra e um orgulho muito grande – exaltou.

Após a coletiva de imprensa, Autuori foi de encontro com o elenco para dar início ao primeiro trabalho dessa segunda passagem pelo clube. A estreia dele no comando do São Paulo deverá ser contra o Vitória, pela





Paulo Autuori é o novo técnico do São Paulo

11 07 2013

Após especulações, finalmente Tricolor anuncia o sucessor de Ney Franco; Autuori é solução política e econômica

Por Luiz Queiroga

Paulo Autuori retorna ao São Paulo credenciado pelos títulos da Libertadores e do Mundial (Foto: Getty Images)

A diretoria do São Paulo confirmou o técnico Paulo Autuori como o substituto de Ney Franco, nesta quinta-feira (11). O anúncio se deu através do perfil oficial do clube no Twitter e a apresentação acontecerá às 15h (de Brasília). Após muitas especulações, finalmente se encerrou uma novela que contou também com Muricy Ramalho.

– Campeão Mundial e da Libertadores, Paulo Autuori é o novo técnico do SP. O treinador será apresentado hoje, às 15hs, no CT da Barra Funda – publicou o São Paulo.

Após a saída de Ney Franco, a cúpula tricolor resolveu não apostar novamente e admitiu estar a procura de um técnico experiente e vitorioso. Mesmo com grande parte da torcida pedindo por Muricy Ramalho, que foi tricampeão brasileiro pelo São Paulo, o presidente Juvenal Juvêncio preferiu o perfil de Paulo Autuori para resolver os problemas do atual elenco. Ele foi campeão da Libertadores da América e do Mundial de Clubes pela equipe do Morumbi em 2005, o que o deixa com respaldo com boa parte da diretoria e comissão técnica.

A escolha de Autuori também foi positiva no aspecto financeiro. Por mais que Muricy Ramalho aceitasse diminuir o salário de R$700 mil mensais que recebia no Santos, certamente os valores não se aproximariam dos R$200 mil que o novo comandante do São Paulo recebia no Vasco da Gama.

Outro ponto positivo para a escolha de Paulo é o aspecto agregador dele. Por todas as equipes que passou, sempre teve o elenco na mão, algo que custou caro para Ney Franco durante a passagem pelo Morumbi. Ney perdeu apoio de jogadores importantes, como Fabrício e Paulo Henrique Ganso, ainda teve rusgas com o capitão Rogério Ceni e foi responsável pela dispensa de cinco jogadores.








%d blogueiros gostam disto: