Jeitinho “rossonero”

3 09 2013

Milan aposta em contratação a baixo custo de jogadores que já valeram muito

 

Por Matheus de Andrade

Quando Kaká foi comprado pelo Milan, por 8,5 milhões de euros (21,25 milhões de reais), o valor foi considerado extremamente baixo pelos torcedores são paulinos, e pela imprensa brasileira. Até o presidente do “rossonero” considerou a contratação como barata, dizendo que Kaká foi levado por “preço de banana”.

 Kaká, de volta ao Milan, será mais um bom negócio do clube de Milão?  (Foto: AP)

Kaká, de volta ao Milan, será mais um bom negócio do clube de Milão? (Foto: AP)

Dentro de campo, o brasileiro correspondeu. Foi o grande destaque do Milan na conquista da Champions League de 2007, sendo eleito o melhor jogador do mundo naquele ano. Kaká virou ídolo na Itália e, em 2009, o Real Madrid resolveu levar o jogador para a Espanha, em uma transferência de cerca de 69 milhões de euros (172,5 milhões de reais), quase oito vezes o que o clube de Milão pagou ao São Paulo pelo jogador.

O que era a quarta maior contratação da história do futebol, até então, se tornou uma das maiores decepções do esporte. Kaká não conseguiu se firmar no clube madrileno por várias razões, como as constantes lesões e as desavenças com o técnico José Mourinho, até o Milan levar o jogador de volta para o futebol italiano, no último dia da janela de transferências no país. O brasileiro foi sem custos ao clube de Milão, e ainda aceitou uma redução salarial para se juntar ao “rossonero”.

Mas este não foi o primeiro negócio do clube italiano envolvendo a contratação de jogadores desvalorizados em outros clubes. Robinho foi para o Manchester City, após uma passagem conturbada pelo Real Madrid. O clube inglês pagou algo em torno de 40 milhões de euros (quase 100 milhões de reais). Após insucesso em Manchester, o Milan levou o brasileiro para a Itália por 18 milhões de euros (45 milhões de reais).

Ibrahimovic é mais um caso. Em 2009, o Barcelona pagou cerca de 68 milhões de euros (170 milhões de reais), mais Samuel Eto’o, pelo sueco. Com problemas no clube catalão, o Milan pegou o jogador por empréstimo e, depois de uma boa temporada, contratou o sueco por definitivo por 24 milhões de euros (cerca de 60 milhões de reais).

Atuais destaques do “rossonero”, Balotelli e Montolivo também podem ser enquadrados neste perfil. O primeiro, com a forte concorrência no City, foi para o clube italiano, onde foi fundamental na conquista da vaga na Champions League desta temporada; Montolivo chegou sem custos ao Milan, e virou peça importante na equipe.

Balotelli, exemplo de negócio a baixo custo que deu certo em Milão.  (Foto:Valerio Pennicino/Getty Images)

Balotelli, exemplo de negócio a baixo custo que deu certo em Milão. (Foto:Valerio Pennicino/Getty Images)

Nem sempre dá certo

Até agora foram citados exemplos de contratações que deram certo, mas evidentemente, algumas não foram tão bem no clube italiano. Rivaldo representa esta situação: no Barcelona, o jogador chegou a ser eleito melhor do mundo, no entanto, em 2002, rompeu com o clube catalão e foi sem custos para o “rossonero”. Sem sucesso na Itália, o jogador foi para o Cruzeiro em 2004.

Ídolo do Milan, Shevchenko fechou em 2006 sua contratação junto ao Chelsea, por 30 milhões de libras (cerca de 90 milhões de reais). O jogador oscilou muito no clube inglês, mas nunca se firmou em Londres. Em 2009, o “rossonero” acertou o empréstimo do ucraniano, que ficou muito longe das atuações que o consagraram em Milão, retornando ao Chelsea no ano seguinte, situação bem semelhante a encontrada pelo argentino Crespo, contratado pelo Chelsea, junto ao Parma, em 2003, por 28 milhões de euros (70 milhões de reais), o jogador foi por empréstimo para o Milan no ano seguinte, onde não se firmou.

Shevchenko na segunda passagem pelo Milan, custo inversamente proporcional a decepção.   (Foto:Reuters)

Shevchenko na segunda passagem pelo Milan, custo inversamente proporcional a decepção. (Foto:Reuters)

Exemplos para Kaká não faltam e o brasileiro terá nesta temporada a oportunidade de se tornar mais um da leva dos bons negócios do Milan. A missão é difícil: na Champions League, o grupo da equipe conta com mais três campeões continentais: Barcelona, Ajax e Celtic. Só o tempo dirá se o brasileiro foi mais uma vez contratado a “preço de banana”, ou se desta vez o Milan fez um “negócio da China”.

Bons negócios -os que deram certo – com o jeitinho italiano:

Ibrahimovic (2010-2012) comprado por 60 milhões de reais: Sem ser unanimidade no Barcelona de estrelas como Messi e Iniesta, o sueco voltou para a Itália, país onde já havia jogado por Juventus e Inter. Foi muito bem no “rossonero”, e acabou sendo negociado com o PSG.

Montolivo (2012-?) sem custos: Meia com várias passagens pela seleção italiana, inclusive disputando a Copa do Mundo de 2010, deixou a Fiorentina após oito temporadas para assinar com o Milan, sendo peça importante da equipe.

Balotelli (2013-?) por empréstimo: Torcedor “rossonero” declarado, desde que atuava pela Inter, o jogador foi para Milão após ficar sem espaço no Manchester City e foi fundamental ao Milan na última temporada.

Robinho (2010-?) 45 milhões de reais: Sem muito sucesso e acumulando polêmicas no Real Madrid e no Manchester City, Robinho foi para o Milan por um valor bem abaixo do que seus antigos clubes pagaram para contar com seu futebol. Alterna altos e baixos no clube italiano, mas já é o time europeu que o brasileiro ficou mais tempo.

Sem tanto sucesso:

Rivaldo (2002-2004) sem custos: O pentacampeão foi com muitas expectativas para Milão, principalmente após a Copa do Mundo de 2002, no entanto o jogador não se encontrou na Itália e foi para o Cruzeiro em 2004.

Crespo (2004-2005) por empréstimo: Sem corresponder às altas expectativas no Chelsea, o jogador foi emprestado ao Milan, clube no qual ficou apenas uma temporada,e decepcionou depois disso. O argentino nunca mais repetiu as boas atuações de quando jogava pelo Parma.

Shevchenko (2008-2009) por empréstimo: Um dos maiores ídolos da história do Milan, o jogador foi cedido pelo Chelsea, mas as atuações ficaram muito longe das sete temporadas que marcaram o jogador no “rossonero” ,retornando para a Inglaterra na temporada seguinte.

Anúncios




Internazionale vence a Juventus de virada e encerra a série invicta de 49 jogos da Velha Senhora

5 11 2012

Mesmo com a derrota, a Juve permanece líder, mas a diferença para a Inter caiu para um ponto; Milan, Fiorentina e Roma goleiam em casa; Lazio é goleada fora de casa; Napoli vacila e cede empate no San Paolo

Por Gustavo Soler

Neste final de semana, a Internazionale acabou com a série de 49 de invencibilidade da Juventus e o Jornalismo FC traz os principais resultados da 11ª rodada do Calcio.

Milan 5 x 1 Chievo Verona

Jogadores do Milan comemorando o quarto gol do jogo (Foto: Getty Images)

O Milan ainda tentava mostrar um futebol convincente nesta temporada para se recuperar. O clube Rossonero abriu a décima primeira rodada recebendo o Chievo, que estava um ponto atrás. Para a alegria da torcida do San Siro, que levou um susto no começo do jogo, o time de Massimiliano Allegri goleou e se recuperou bem na tabela.

As coisas não começaram bem para os milanistas. A torcida logo pensou que teria mais um daqueles jogos terríveis que a equipe vinha fazendo. Os jogadores não se entendiam em campo e o principal atleta, El Shaarawy, não estava em uma noite feliz. Porém, aos 15 minutos, Constant fez o lançamento para dentro da área, o zagueiro Marco Andreolli afastou mal e Emanuelson bateu de primeira para abrir o placar. Dois minutos depois, Luciano bateu escanteio pela esquerda e Pellissier subiu mais que El Shaarawy para empatar o jogo. Tentando voltar à frente do marcador, o Milan foi pra cima e, após um cruzamento de Abate, Emanuelson se jogou na bola, mas o holandês não conseguiu o arremate.

O Chievo quase virou o jogo em duas tentativas de longe com Hetemaj. Na primeira o finlandês bateu forte e a bola passou à direita do gol de Abbiati. Na segunda tentativa, o camisa 56 mandou rasteira, obrigando o arqueiro rossonero a se esticar e espalmar a bola no cantinho. O Milan fez uma boa trama com Pazzini e Emanuelson e o holandês ajeitou a bola para Montolivo, que arrumou a bola e bateu de fora da área, acertando o cantinho do goleiro para pôr o time da casa em vantagem. Com 40 min, Bojan recebeu de Emanuelson e bateu fraquinho de fora da área, porém, a bola desviou em Dainelli e saiu do alcance de Sorrentino, marcando o terceiro gol.

No começo do segundo tempo, Abate foi fazer o cruzamento pela ponta direita e acertou a nuca do meia Dramé, que foi a nocaute e saiu de campo desacordado. Ainda ofuscado na partida, El Shaarawy teve a chance de se isolar na artilharia do Calcio. Após a bola mal afastada pela zaga, o Pequeno Faraó bateu firme de pé esquerdo, mas a bola saiu. Aos 30 minutos, Abate cruzou, a bola foi desviada pela defesa e El Shaarawy conseguiu empurrar para o gol: 4 a 1 Milan. Os rossoneri não desistiram de marcar e, com 43 min, Pazzini fez o pivô para Bojan, que bateu para a grande defesa de Sorrentino. No último minuto de jogo, El Shaarawy tocou de três dedos para Pazzini fechar a goleada em 5 a 1.

Juventus 1 x 3 Internazionale

Destaque da Inter, Diego Milito (à esq.) marcou dois gol na vitória de virada contra a Juve (Foto: Getty Images)

Invicta desde maio de 2011, a Juventus tinha um jogo complicado contra a Inter para manter-se invicta em jogos válidos pelo Campeonato Italiano e se isolar ainda mais na liderança do Calcio. A torcida da Velha Senhora viu algo que não sabia o que era, desde a inauguração do Juventus Stadium, na última temporada: uma derrota. A vitória de virada foi um feito histórico do time de Stramaccioni, que agora está apenas um ponto atrás dos rivais de Turim.

Arturo Vidal abriu o placar antes do primeiro minuto no Juventus Stadium (Foto: Agência Reuters)

A partida começou com tudo. Logo no primeiro ataque, antes do primeiro minuto, Giovinco tocou para Vunicic que, de carrinho achou Asamoah. O ganês bateu cruzado e Vidal bateu para o gol aberto, inaugurando o marcador. A Juve parecia que teria mais uma noite normal, com uma vitória em clássico. Os indícios eram grandes. Aos sete minutos, Pirlo lançou de primeira por trás da zaga para Marchisio, o camisa 8 bateu de primeira e Handanovic fez uma defesa incrível. Aos 43, Asamoah cruzou, a bola foi desviada pela defesa e quase encobriu Handanovic, que ainda conseguiu mandar um tapa para escanteio. No último minuto do primeiro tempo, Samuel desarmou Vucinic, a bola atravessou toda a área, o brasileiro Juan e o japonês Nagatomo vacilaram, e Vidal ganhou na corrida e bateu de primeira para outra boa defesa de Handanovic. No rebote, o chileno mandou pra longe.

O atacante Vucinic sentiu uma lesão no lance contra Samuel e teve que sair. Aos oito minutos da segunda etapa, Milito puxou o contra-ataque e tocou para Palacio, o ex-atacante do Boca Jrs bateu forte, mas a bola acabou subindo. A Inter tentava o empate no começo do segundo tempo, aos 11, Nagatomo recebeu nas costas de Zanetti e bateu firme, mas Buffon fez a defesa. Com 12 min, Cassano cobrou falta ensaiada Cambiasso, que de letra ajeitou para Milito. O atacante foi tocado por Marchisio e Paolo Tagliavento marcou o pênalti. Na cobrança, Diego Milito bateu o famoso pênalti perfeito, empatando a partida.

Milito batendo o pênalti que resultou no gol de empate da Inter (Foto: Getty Images)

A Juve tentava sair para o ataque, mas a Inter se fechava bem e esperava pelos contra-ataques. Aos 30 minutos, Vidal errou feio e deu a bola de presente para Guarin, o colombiano avançou com muita velocidade e bateu com força da entrada da área, obrigando Buffon a fazer uma grande defesa. Porém, no rebote, Milito foi mais rápido que Barzagli e bateu de primeira virando o jogo no Juventus Stadium. O sofrimento da Velha Senhora aumentava: o time não conseguia chegar ao gol de Handanovic e, aos 44 min, Guarin puxou o contra golpe e lançou Nagatomo, o japonês partiu em direção ao gol, mas foi desarmado por Barzagli, o camisa 55 Nerazzurri insistiu na jogada, ganhou na dividida com Chiellini e tocou uma bola à la Pirlo para Palacio, que não perdoou e bateu para marcar o terceiro da Inter, dando ponto final a invencibilidade da Juventus.

Palacio no momento do último gol do jogo (Foto: Agência Reuters)

Catania 4 x 0 Lazio

Autor de dois gols, Gomez (à dir.) comemora o seu segundo gol (Foto: Agência Reuters)

Com uma boa campanha no começo do campeonato, o Catania tentava se aproximar da própria Lazio, que está na zona de Europa League. Por outro lado, o time Biancoazzurri buscava a recuperação no torneio, pois o clube não vencia a duas rodadas e já estava ficando distante do Napoli, primeiro time da faixa de Champions League. Porém, o resultado do jogo foi surpreendente, o time da casa emendou uma goleada de 4 a 0.

O Catania começou melhor no jogo, e com oito minutos, Gomez trouxe pela ponta esquerda, encarou a marcação de Biava e bateu forte por cima de Bizzarri, abrindo o placar. Na comemoração, o atacante dançou o famoso hit do sul-coreano PSY, o “Gangnam Style”. Aos 24 min, Izco fez a jogada pela direita e tentou o levantamento, a bola bateu na mão de André Dias e o árbitro Mazzoneli marcou o pênalti. Na cobrança, Lodi deslocou o arqueiro Bizzarri para marcar o segundo gol. Aos 27, Alvarez cruzou e Gomez bateu de primeira, o zagueiro Biava tirou, e no rebote Barrientos bateu para a boa defesa de Bizzarri, porém, o auxiliar comunicou o juiz que a bola havia passado no corte de Biava e o gol foi validado.

A segunda etapa começou com o Catania administrando o jogo. A Lazio não conseguia jogar e não oferecia riscos ao gol dos mandantes. Com 24 minutos veio o golpe final: Gomez ganhou na velocidade, invadiu a área e tocou para Barrientos livre para marcar o quarto. A Lazio ainda tentou o gol de honra, mas Marchese tomou e a bola foi de pé em pé até chegar em Lodi que bateu colocado, mas jogou por cima do gol.

Fiorentina 4 x 1 Cagliari

Principal jogador do time, Jovetic comemora o seu gol (Foto: AFP)

Com uma campanha respeitável neste começo de temporada, a Fiorentina recebeu o Cagliari em casa. Tentando se aproximar do Napoli, primeiro time da zona de Champions League, o time de Vicenzo Montella manteve a boa fase e goleou por 4 a 1, com direito a gol do veterano Luca Toni.

Os violas logo tomaram a iniciativa do jogo, e com 13 minutos, Gonzalo Rodriguez aproveitou a cobrança de escanteio para subir no último andar e testar pro fundo do gol. A Fiorentina continuou indo pra cima, porém, Jovetic e companhia não conseguiam chegar até a meta de Agazzi. Por outro lado, o Cagliari, que estava fechado na defesa, procura as oportunidades para o contra-ataque. Em uma dessas chegadas ao ataque, os visitantes tiveram uma falta pela esquerda. Na cobrança, Cossu bateu bem aberto para Cassarini, o camisa 32 bateu de primeira, a bola desviou no meio do caminho e entrou. Porém, o árbitro assinalou impedimento de Thiago Ribeiro. Depois de conversar com os seus auxiliares, Gianpaolo Calvarese confirmou o gol, pois a bola desviou em Roncaglia, zagueiro da Fiore, e não no atacante brasileiro.

Aos quatro minutos de segundo tempo, Pizarro cobrou escanteio e Jovetic bateu de primeira para colocar a Fiorentina de volta a frente do marcador. Com oito minutos, Jovetic puxou o contra-ataque e cruzou no meio para Luca Toni, o veterano atacante chegou com velocidade para bater de primeira e marcar mais um gol. O Cagliari tentava diminuir, mas com o bom sistema defensivo da Fiorentina, isso não foi possível, e aos 39 minutos, Agazzi saiu jogando com Dessena, o meia acabou tocando errado e mandou nos pés de Cuadrado, que percebeu o goleiro adiantado e mandou para fazer o quarto gol.

Napoli 1 x 1 Torino

Cavani marca e homenageia sua esposa que está esperando o filho do casal (Foto: Agência Reuters)

Aproveitando a derrota da líder Juventus, o Napoli precisava dos três pontos para se reaproximar dos dois líderes. O confronto desta rodada seria contra o Torino, clube que está tentando fugir da zona de rebaixamento. Os azzurris vacilaram e cederam um empate dentro do San Paolo para o time de Turim. Agora o time de Cavani está a quatro pontos da Inter.

Sabendo do seu dever, o Napoli se mandou para o ataque, e logo aos seis minutos, Campagnaro cobrou lateral para dentro da área, Hamsik bateu cruzado e Cavani abriu o placar. O uruguaio comemorou homenageando a sua mulher, que está grávida. Hamsik teve a chance do segundo, porém o eslovaco mandou por cima do gol. O Torino teve uma grande oportunidade para empatar. Depois de um cruzamento de Cerci, Bianchi testou firme, De Sanctis defendeu, e no rebote, Cannavaro se enrolou com a bola e defendeu para o goleiro De Sanctis que foi obrigado para mandar para escanteio.

Pandev armou um contra-ataque muito veloz pelo meio e bateu de entrada da área, a bola desviou em Glik e saiu rente a trave. O Napoli ficou reclamando de um pênalti sobre Maggio: o ala direito foi desarmado, por Rodriguez, porém, o defensor continuou com o movimento com o pé e deu uma “rapa” no jogador azzurri. Dzemaili aproveitou a bola mal afastada por Rodriguez e bateu forte de fora da área, mas mandou pra fora. Aos 46 min, Gazzi chegou de carrinho para bloquear um chute de Dzemaili, o volante do Torino acabou sentindo uma torção no pé, que ficou preso na grama após o carrinho. Aos nove minutos do segundo tempo, Cerci partiu pela direita e se jogou dentro da área, atento no lance, o auxiliar que fica atrás do gol avisou o juiz Paolo Valeri, que advertiu com o cartão amarelo o atacante.

Em um lance perdido, o Napoli quase marcou um gol sem querer. Após um bico pra frente de Cannavaro, Dossena evitou a saída de bola tentando um cruzamento para o meio da área, a bola quase encobriu o goleiro Gillet, porém, bateu no travessão e saiu. Aos 16 min, o Torino bateu uma falta rápida pelo meio, mas Sgrigna não conseguiu o arremate. Com 25, Cerci aproveitou a bola mal afastada e bateu de primeiro, porém, a bola subiu demais. Santana arriscou de longe, e De Sanctis agarrou firme.

Sansone marcou o gol salvador do Torino (Foto: Agência Reuters)

Darmian perdeu a bola pela direita, e Insigne partiu com velocidade pelo meio, o atacante tocou para Hamsik, que livre invadiu a área, driblou o goleiro e de forma incrível perdeu o gol aos 40 minutos. Aos 47 do segundo tempo, o experiente zagueiro Aronica foi recuar a bola para De Sanctis, mas o passe foi fraquinho, e Sansone aproveitou, driblou o goleiro e bateu com o gol livre para empatar.

Roma 4 x 1 Palermo

Perto de chegar a histórica marca de 216 gols, e ficar em terceiro lugar na artilharia geral do Calcio, Francesco Totti abriu o placar na goleada (Foto: Site Oficial do Roma)

Alternando bons e maus momentos no Calcio, o Roma de Zeman vinha de duas derrotas de virada contra a Udinese e Parma. Para fechar a décima primeira rodada, o time da capital recebeu o Palermo, que está sofrendo para sair da zona de rebaixamento. Com direito a gol de Francesco Totti, os giallorossi golearam e viram o seu ídolo ficar a um gol de Giuseppe Meazza e do brasileiro Mazzola, terceiros colocados na artilharia de todos os tempos do Calcio.

O Roma teve a primeira boa chance de gol aos dez minutos: Piris cruzou, Osvaldo furou e Totti tocou de cabeça, o goleiro Ujkani fez a defesa, a bola tocou na trave e no rebote, o Capitano mandou para o gol. Aos 25 min, Osvaldo levou uma entrada violenta de Muñoz e o árbitro Andrea de Marco nem cartão deu para o zagueiro, que era o último jogador antes do goleiro em frente à área. Com 30 min, De Rossi lançou, Muñoz e Ujkani trombaram e a bola sobrou para Osvaldo, que com o gol aberto marcou o segundo.

Por pouco o Capitano não se igualou a Giuseppe Meazza e Mazzola com 216 gols no Calcio. Após um cruzamento de Osvaldo, Totti chegou batendo de primeira e mandando a bola pra fora. Aos 41 min, Lamela gingou dentro da área e bateu de pé esquerdo, obrigando a boa defesa de Ujkani. A única chegada do Palermo foi aos 45, primeiro com Kurtic bateu forte e Goicoechea foi no cantinho para fazer a defesa. Na cobrança do escanteio, Garcia cabeceou de costas, mas a defesa afastou no rebote. No último minuto, Osvaldo cruzou, Lamela não alcançou e Muñoz afastou antes que a bola chegasse em Totti.

Aos 16 minutos, Totti tocou para Balzaretti, que de bico mandou para o gol, mas Ujkani fez a defesa. Aos 24, Tachtsidis cruzou, Ujkani se esticou todo para chegar na bola, mas não conseguiu, e Lamela chegou escorando de primeira para marcar o terceiro. Com o adversário rendido, Lamela lançou Mattia Destro, a jovem promessa italiana driblou o goleiro em alta velocidade e mandou para o gol, fazendo o quarto gol. Com 39 min, Miccoli roubou a bola e Iliic bateu por cima de Goicoechea para marcar o gol de honra.

Confira todos os resultados da 11ª rodada do Calcio:

Sábado (03/11)

Milan 5 x 1 Chievo Verona

Juventus 1 x 3 Internazionale

Domingo (04/11)

Pescara 2 x 0 Parma

Bologna 1 x 1 Udinese

Catania 4 x 0 Lazio

Fiorentina 4 x 1 Cagliari

Napoli 1 x 1 Torino

Sampdoria 1 x 2 Atalanta

Siena 1 x 0 Genoa

Roma 4 x 1 Palermo





Juventus aproveita o tropeço do Napoli e dispara na liderança graças a gol no fim

1 11 2012

Juventus chega a 50 jogos de invencibilidade; Inter chega a sua quinta vitória seguida; Napoli perde e sai da cola da Velha Senhora; má fase do Milan continua e times de Roma tropeçam

Por Gustavo Soler

Neste meio de semana, ocorreu a 10ª rodada do Calcio e o Jornalismo FC traz os principais resultados.

Palermo 2 x 2 Milan

 

Artilheiro do time na temporada, El Shaarawy evita mais uma derrota do Milan (Foto: AFP)

Em crise, Palermo e Milan abriram a décima rodada do Campeonato Italiano. Com um ponto a menos que o Pescara, o time da Sicília era o primeiro time da zona de rebaixamento, mas apenas 3 pontos separavam os Rosaneros dos Rossoneros. O time da casa abriu 2 a 0, porém, acabou vacilando e permitiu o empate milanista. A má fase permanece sem solução para ambos os clubes.

O jogo era chato e sem emoção. O Palermo era ligeiramente melhor, mas não oferecia trabalho algum para o arqueiro Amelia. A primeira tentativa de gol dos mandantes foi do capitão Miccoli, mas o camisa 10 acabou cobrando mal a falta, mandando a bola pela linha de fundo. Miccoli era o atleta que mais buscava jogo e, após um lançamento recebido pela esquerda, o atacante tentou um cruzamento, que desviou no braço aberto de Abate. O ábrito Nicola Rizzoli marcou o toque, mesmo sem a intenção do desvio, pois Abate mudou totalmente a trajetória da bola. Na cobrança, Miccoli bateu firme a abriu o placar aos 45 minutos.

Logo aos dois minutos da etapa final, o desespero do Milan aumentou: o meia Brienza recebeu  a bola pelo meio, carregou até a entrada da área e bateu com muita força e efeito, sem chances para Amelia. O time de Milão precisava de um resultado melhor a qualquer custo, pois, com esta derrota, os rossoneros entrariam na zona de rebaixamento. O técnico Massimiliano Allegri promoveu mudanças no seu time. Os visitantes quase diminuíram com Emanuelson quando o holandês cobrou falta pelo meio e Ujkani foi no ângulo para defender. As mudanças de Allegri surtiram efeito aos 24 min. Bojan, que entrou no lugar de Pato, fez boa jogada pela direita, se livrando da marcação e cruzou para Montolivo. O meia dominou e encheu o pé de esquerda para diminuir.

Aos 35 minutos, Abate cruzou a bola para dentro da área, o goleiro Ujkani saiu mal e tocou na bola. No rebote, El Shaarawy, o talimã milanista, não perdoou e bateu firme com o gol aberto para empatar o jogo. Com o empate, os time permanecem com a mesma distância em pontos, mas o Palermo conseguiu deixar a zona de rebaixamento graças a um tropeço do Pescara.

Atalanta 1 x 0 Napoli

 

Carmona corre para o banco de reservas para comemorar o seu belíssimo gol (Foto: Getty Images)

Precisando muito da vitória para continuar na perseguição pela ponta da tabela, o Napoli viajou até Bergamo para encarar a Atalanta no estádio Atleti Azzurri d’Italia. O time da casa queria o triunfo para melhorar a sua posição na tabela e abrir uma boa vantagem para os clubes da zona de rebaixamento. Com um gol no começo do jogo, a Atalanta venceu a partida.

A primeira chegada ao ataque foi da Atalanta. Após uma boa jogada pela ponta direita, Denis cruzou, mas Moralez cabeceou pra fora. O Napoli teve uma oportunidade de ouro para abrir o marcador: Dossena cruzou pela esquerda, Maggio ajeitou de cabeça e Insigne mandou de voleio para uma grande defesa de Consigli. Se os azzurris chegaram em grande estilo, o time da casa não ficou para trás. Cazzola cruzou para Denis, o argentino ajeitou de coxa para Carmona bater de primeira e marcar um belíssimo gol.

Sub uma chuva forte que começou a cair na metade do primeiro tempo, Hamsik quase empatou o jogo de cabeça, mas o eslovaco cabeceou pra fora. Aos 35 minutos, Denis arrancou mais uma vez pela direita e cruzou para o meio da área, a bola passou por todo mundo até chegar em Bonaventura. O camisa 10 da Atalanta dominou e chutou todo torto, perdendo a melhor chance do time de ampliar o marcador.

Buscando o empate, o Napoli começou muito bem o segundo tempo. Após uma tentativa de cruzamento de Campagnaro afastada pela defesa, Maggio cruzou de primeira, a bola atravessou a pequena área até o toque de Insigne pra fora. Em uma triangulação perfeita de Pandev, Insigne e Hamsik, o camisa 17 bateu firme e Consigli fez grande defesa. Com muita velocidade pela esquerda, Insigne fez uma jogada individual dentro da área e bateu forte de pé direito, a bola explodiu na trave e o goleiro Consigli ficou com o rebote.

Jogando na base dos contragolpes, a Atalanta quase ampliou a vantagem aos 30 minutos. Após um bom passe de Moralez para Denis, o argentino invadiu a área e chutou forte, mas mandou na rede do lado de fora. Aos 37, Dzemaili cobrou falta e Consigli foi bem para espalmar. Com 42, Maggio cruzou, a bola desviou em Bonaventura e novamente Consigli interviu bem para evitar o empate.

Internazionale 3 x 2 Sampdoria

 

Jogadores da Inter, que participaram dos gols, comemoraram demais o triunfo (Foto: Site Oficial da Inter)

Simultaneamente com o jogo do Napoli, a Inter precisava ganhar para não deixar os seus rivais na tabela escaparem na liderança. Com uma boa virada no San Siro, os Nerazzurri chegaram a sua quinta vitória seguida no Calcio. Já a Sampdoria chegou ao seu sexto jogo sem vencer, sendo a quarta derrota seguida. Com a vitória em casa e com a derrota do Napoli, a Inter ficou com o segundo lugar.

A Sampdoria saiu na frente do marcador com 19 minutos. Após um lançamento para dentro da área, Samuel e Ranocchia se atrapalharam e a bola sobrou limpa para Munari marcar o gol. Os Nerazzurri quase empataram o jogo na sequência. Depois de uma boa jogada de Cassano, o camisa 99 rolou para Álvaro Pereira, o uruguaio bateu forte. No rebote, Guarin finalizou pra fora. Sem muitas emoções na etapa inicial, a Inter começou bem o segundo tempo. Logo aos seis minutos, Milito foi derrubado dentro da área. Na cobrança, o próprio Milito bateu e a bola ainda bateu na trave antes de entrar para empatar o confronto.

No lance no pênalti, Andrea Costa foi expulso e o time de Stramaccioni usava bem a vantagem numérica. Diego Milito quase virou o jogo em uma boa jogada individual, quando acertou o travessão de Romero. O time da Samp não se rendeu e foi pra cima da Inter quando havia espaço. Mas, em um contra-ataque bem armado pela equipe da casa, Cassano tocou para Palacio, que bateu de primeira para virar o jogo.

Se no primeiro tempo, Guarin teve uma boa oportunidade de marcar e acabou batendo pra fora, desta vez, o colombiano não perdoou: depois de mais um passe perfeito de Cassano, o volante interista dominou e mandou com muita força sem chances para Romero. No último minuto de jogo, Eder fez uma tabela linda com Maxi Lopéz e bateu na saída de Handanovic para diminuir o marcador.

Juventus 2 x 1 Bologna

 

Com mais um gol salvador, Pogba decide na vitória da Juventus (Foto: Getty Images)

Líder do campeonato, a Juve tinha um adversário fácil nesta décima rodada. O time de Turim buscava mais uma vitória para chegar a incrível marca de 50 jogos de invencibilidade em jogos válidos pelo Calcio. Por outro lado, o Bologna tinha praticamente uma missão impossível: vencer os alvinegros no Juventus Stadium para sair da zona de rebaixamento. O resultado foi o que todos esperavam: uma vitória da Velha Senhora.

A Juve tomou as ações do jogo e com Giaccherini saiu o primeiro bom chute, mas Agliardi defendeu. Na perigosíssima bola parada de Pirlo, a Velha Senhora chegou ao gol, mas Pogba empurrou o seu marcador e o árbitro Andrea Romeo anulou bem o gol. Pouco tempo depois, Pogba dominou e bateu por cobertura de fora da área, porém, a plasticidade do lance acabou com a bola se chocando na trave. Na única chance do Bologna, Gilardino empurrou Barzagli e Gabbiadini mandou pro gol, mas novamente o juiz da partida foi bem para anular o gol.

Tentando de qualquer jeito chegar ao gol, Bendtner bateu de muito longe e com muito efeito, obrigando Agliardi a fazer uma grande defesa. Em mais uma bola parada com Andrea Pirlo, o maestro da Juve mandou na cabeça de Pogba, que mandou pra fora. No começo da segunda etapa, Barzagli saiu jogando muito mal, mandando a bola no pé de Pazienza, que bateu pra fora.

O gol finalmente saiu aos nove minutos. Depois de uma bola lançada de cavadinha genial de Pogba, Giaccherini subiu de cabeça, ajeitando para Quagliarella chegar batendo de primeira para abrir o placar. A Juve continuou pressionando, e desta vez, Bendtner foi quem deu um passe genial de cavadinha para Quagliarella. O atacante bateu de primeira e Agliardi fez uma grande defesa. Aos 26 min, De Ceglie tentou um lançamento para o meio, e entregou a bola no pé de Taider, que arriscou da entrada da área e empatou a partida. Aos 47 minutos do segundo tempo, Giovinco cruzou e Pogba mandou de cabeça para decretar a vitória da Juventus.

Lazio 1 x 1 Torino

 

Glik vibrando com a torcida do Torino após abrir o placar (Foto: Getty Images)

Tentando se reaproximar dos líderes, a Lazio recebeu o Torino no estádio Olímpico de Roma. O time da capital, que perdeu o último jogo para a Fiorentina, também perdeu o seu principal jogador para a partida: Hernanes, expulso após acertar uma tesoura violenta em Cuadrado. O Torino, por sua vez, tentava tirar algum ponto dos rivais para se distanciar da zona de rebaixamento. E para a felicidade do técnico Giampiero Ventura, o time de Turim conquistou o empate.

O Torino não tomou conhecimento do adversário e logo se mandou para o ataque. Aos dez minutos, Glik aproveitou uma cobrança de escanteio para testar firma para o fundo do gol. Os biancoazzurri quase chegaram ao empate com Candreva. O camisa 87 mandou uma bomba que passou a direita do goleiro. Pressionando para empatar, Mauri aproveitou o lançamento e deu um toquinho na saída do goleiro, porém, a bola acabou se perdendo pela linha de fundo.

Candreva tentou novamente com um chute forte, mas Gillet saltou e foi buscar a bola no ângulo. Em um contra-ataque velocíssimo, Sgrigna lançou Cerci, o camisa 11 tentou driblar Bizzarri, o goleiro da Lazio conseguiu salvar, e no rebote, Cerci foi desarmado por Biava. No segundo tempo, Cerci fez mais uma boa jogada pela ponta direita, trouxe para o meio e bateu, porém, Bizzarri fez uma boa defesa.

Mauri, autor do gol de empate comemora o seu tento ao lado de Rocchi (Foto: AFP)

Aos 12 minutos, Mauri recebeu de Rocchi e bateu da entrada da área, empatando a partida. O ídolo da torcida da Lazio teve a chance da virada: após um lançamento de Konko, Rocchi invadiu a área, driblou o goleiro e a bola acabou correndo um pouco, mas mesmo assim o camisa 9 tentou o chute que acabou batendo na rede pelo lado de fora. Rocchi teve a chance de se redimir: após uma bola ajeitada de cabeça po Mauri, o capitão biancoazzurri chegou batendo de primeira e Rodriguez se jogou de carrinho para salvar o Torino.

Parma 3 x 2 Roma

 

Zaccardo, autor do terceiro gol do Parma, mandando a torcida romanista ficar quieta (Foto: AFP)

Depois de dois jogos incríveis, um positivo, a virada sobre o Genoa fora de casa, e um negativo, a virada sofrida contra a Udinese em casa, o Roma viajou até o estádio Ennio Tardini para encarar o Parma. Tentando voltar às posições de ligas europeias, os Giallorossa precisavam demais do triunfo, assim como o Parma, que se igualaria em pontos com a Fiorentina em caso de vitória. A vida do Roma se complicou de novo: após sair na frente do marcador, o time da capital levou a virada.

O Roma começou melhor a partida e logo aos oito minutos, Lamela deu um lindo passe de calcanhar para Totti. O Capitano tentou o cruzamento, a defesa afastou, porém, no rebote, Lamela dominou e bateu com efeito para abrir o placar. A primeira chegada do Parma foi as 17 min. Após o cruzamento pela esquerda, Biabiany testou de cabeça e mandou pra fora. No lance, Amauri tentou chegar na bola e acabou se chocando com Leandro Castán, o ítalo-brasileiro precisou sair de campo.

A resposta do Parma veio aos 20 minutos. Depois de um bom lançamento de Valdés, Stekelenburg saiu do gol para fazer o corte, a bola ainda sobrou para Zaccardo que tentou o cruzamento, que foi cortado por Marquinhos. Com 34 min, Parolo lançou a bola, Dodô falhou feio, Belfodil, que entrou no lugar de Amauri, ganhou na velocidade de Castán, invadiu a área e bateu na saída de Stekelenburg para empatar o jogo. Três minutos mais tarde, Belfodil cruzou, Parolo bateu de primeira, a bola ficou presa na poça d’água, e o próprio Parolo conseguiu se levantar e mandar para o gol antes que Piris chegasse na marcação, virando o jogo para os mandantes.

O Roma teve a chance do empate no final da primeira etapa. Depois de uma grande jogada na linha de fundo, Lamela rolou no meio para Osvaldo, o camisa 9 bateu de primeira, a zaga do Parma tirou de cima da linha, no rebote a bola sobrou para Bradley, o norte-americano bateu de primeira e Mirante fez uma grande defesa. No último minuto da primeira etapa, Stekelenburg sentiu uma lesão e precisou sair de campo. A segunda etapa começou com o campo praticamente alagado, nenhum dos dois times conseguia trocar passes com eficiência, pois a bola sempre parava nas poças d’água.

Aos 20 minutos da etapa final, Zaccardo tocou para Belfodil, o argelino devolveu para Zaccardo, que por sua vez tocou para Biabiany, que estava impedido, porém, a bola ficou presa na poça d’água e não chegou no atacante do Parma. Então, Zaccardo tocou novamente, mas desta vez o camisa 7 estava em posição legal e arrancou para a área do Roma. Biabiany tocou no meio para Belfodil, o camisa 9 bateu e Goicoechea fez a defesa. No rebote Zaccardo bateu, a bola bateu na canela de Piris e entrou: 3 a 1 Parma.

Com 26 min, Leandro Castán sofreu pênalti. Na cobrança, Francesco Totti bateu, Mirante defendeu e no rebote o Capitano marcou. O Parma quase chegou ao quarto gol com o ex-romanista Rosi: o camisa 87 percebeu o goleiro Goicoechea adiantado e bateu de muito longe, mas o uruguaio conseguiu voltar e mandar a bola para escanteio. Aos 40 minutos, Belfodil deu uma solada em Marquinho e foi expulso de campo.

Genoa 0 x 1 Fiorentina

 

Jogadores da Fiorentina comemoram a vitória contra o Genoa (Foto: Getty Images)

Para fechar a décima rodada do Calcio, a embalada Fiorentina foi até Genova encarar o time da casa: o Genoa. O clube Viola não ganhava no estádio Luigi Ferraris desde 1983 e, para o clube se manter bem na briga por competições europeias, precisava muito dos três pontos. Já o Genoa não faz um começo de temporada empolgante e entrava pressionado por estar próximo da zona de rebaixamento. O time de Vicenzo Montella conseguiu quebrar o tabu e venceu o Genoa no Luigi Ferraris.

O jogo começou com o Genoa em cima. Logo no primeiro minuto, Kucka aproveitou a bola afastada pela defesa e bateu de primeira para fora. A partida ficou equilibrada desde a primeira chegada dos mandantes, mas aos 13 minutos, Rodriguez fez um lançamento de área a área para Pasqual. O capitão da Fiorentina dominou e bateu por cobertura na saída de Frey. Os violas melhoraram depois do gol e, com 23 min, Jovetic bateu de fora da área para a boa defesa de Frey. Borja Valero armou um contra-ataque rápido para a Fiore e tocou para Jovetic, que por sua vez tocou para Cuadrado. O camisa 11 bateu forte, a bola desviou em Bovo e saiu.

Jogando como se estivesse em casa, a Fiorentina quase chegou ao segundo gol com Ljajic, mas Frey saiu bem do gol e fez a defesa depois do chute do sérvio. Logo aos cinco minutos do segundo tempo, Jovetic rolou para Ljajic, o sérvio bateu de primeira e Frey defendeu com o pé, a bola ainda subiu e o arqueiro francês ainda se levantou para mandar a bola pra fora antes que o atacante Ljajic chegasse. A bola ainda tocou o travessão antes de sair. O Genoa até ameaçou uma pressão, mas o time da casa não conseguiu assustar o arqueiro Viviano.

Confira todos os resultados da décima rodada do Calcio:

Terça-feira (30/10)

Palermo 2 x 2 Milan

Quarta-feira (31/10)

Atalanta 1 x 0 Napoli

Cagliari 4 x 2 Siena

Chievo Verona 2 x 0 Pescara

Internazionale 3 x 2 Sampdoria

Juventus 2 x 1 Bologna

Lazio 1 x 1 Torino

Parma 3 x 2 Roma

Udinese 2 x 2 Catania

Quinta-feira (1º/11)

Genoa 0 x 1 Fiorentina





#JFCnaEuro: Em entrevista, Cassano se mostra contra homossexuais na seleção italiana

13 06 2012

Jornalista italiano afirmou que há dois jogadores homossexuais na Itália

Por Caio Martins

Cassano falou sobre os possíveis homossexuais na seleção italiana (Foto: AFP)

Às vésperas do segundo jogo da Itália na Euro 2012, diante da Croácia em Poznan, Antonio Cassano fez a festa dos jornalistas presentes em sua coletiva ao conceder uma polêmica entrevista. Saindo do habitual, o jogador respondeu à perguntas sobre a existência de atletas homossexuais no grupo convocado por Cesare Prandelli para a competição.

– Se eles são frocio (forma vulgar de se referir a gays, em italiano), o problema é deles. Eu espero que não exista qualquer frocio na seleção. Mas se eles são isso, é com eles. Não sei se existe alguém. Deixo assim, caso contrário, já sabem, virão os ataques de todas as partes – disse.

Pouco depois, Cassano perguntou ao tradutor que estava ao seu lado se aquilo que foi dito seria traduzido aos jornalistas poloneses presentes, preocupando-se com uma confusão que pudesse ser gerada.

Mais tarde, com sua declaração sendo repercutida pela imprensa, Cassano emitiu um comunicado, desculpando-se por suas palavras.

– Quero pedir sinceras desculpas se os meus comentários provocaram polêmica e protestos entre as associações dos direitos homossexuais. A homofobia não é algo que faz parte da minha natureza. Não quis ofender ninguém e absolutamente não quero colocar nenhuma opção sexual sob coação. Eu apenas disse que é um problema que nada tem a ver comigo. Não julguei as escolhas dos outros, que devem ser respeitadas – declarou.

Polêmica foi iniciada por jornalista italiano

Os boatos sobre o assunto surgiram após o jornalista e apresentador Alessandro Cecchi Paone, da Sky Itália e homossexual assumido, dizer, também em uma entrevista, que há dois gays entre os italianos convocados para a Euro.

– Eu tive um relacionamento com um dos jogadores, e ele me disse quem era o outro gay, o que explica por que eu sei que são dois. Prandelli sabe quem são os homossexuais. Sobre quando eu disse que há três metrossexuais, foi um elogio a Sebastian Giovinco, Ignazio Abate e Riccardo Montolivo – disse à “Radio 24”.

O último, aliás, seria um dos homossexuais. O jogador, que defendeu a Fiorentina-ITA por sete anos, por coincidência, defenderá o Milan, clube defendido por Cassano, na próxima temporada.








%d blogueiros gostam disto: