Cruzeiro e Atlético se enfrentam no domingo

28 07 2013

Partida é a primeira do Galo como campeão da Libertadores

Por Matheus de Andrade

Logo após conquistar a América na última quarta feira (24), o Atlético tem uma partida contra o seu maior rival, neste domingo (28) ás 16:00 no Mineirão, pela 9ª rodada do Brasileirão. O alvinegro ocupa a décima colocação e o Cruzeiro está na quarta posição do campeonato.

No momento o clube celeste está no G-4, e, portanto disputaria a Libertadores do ano que vem, caso a equipe consiga tal classificação, será uma feito inédito para o futebol mineiro, já que dois clubes de Minas nunca disputaram a competição no mesmo ano, e o Atlético já esta garantido por ser o atual campeão continental.

https://i0.wp.com/s2.glbimg.com/xYeJjY5hLfDda2OoDxhv0MDJrB0=/620x283/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2013/07/27/willian.jpg

Willian, relacionado, pode estrear no domingo (Foto: Washington Alves / Vipcomm)

No entanto o campeonato nacional pode representar para o Galo outra marca histórica, o clube tem a possibilidade de conquistar a segunda tríplice coroa do país, a única pertence ao rival Cruzeiro, quando em 2003 conquistou o Campeonato Mineiro, o Brasileiro e a Copa do Brasil. Caso o Atlético conquiste, a marca será ainda mais exclusiva, pois um clube nunca foi campeão brasileiro e da Libertadores no mesmo ano.

Condições para brigar pelo titulo nacional o Atlético reúne, o clube possui um grande elenco, e tem dois jogos a menos em relação ao líder Internacional, uma é a partida contra a Ponte Preta, adiada em função da disputa da Libertadores. O clube gaúcho possui um confronto adiantado, contra o São Paulo. Caso o Galo conquiste os seis pontos, ficaria a apenas dois da primeira colocação.

O Mundial de Clubes no fim do ano, deve ser uma motivação a mais para o alvinegro se reforçar, o clube tem com adversários definidos Bayern e Monterrey, no entanto o meio campista Bernard não foi treinar neste sábado (27), e os rumores de que ele irá sair crescem a cada dia, os prováveis destinos são Arsenal e Porto. 

https://i1.wp.com/s2.glbimg.com/rxB2WkwFttzKjhN-uXnWbTie8YA=/300x397/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2013/07/27/bernard_2.jpg

Bernard, não foi treinar neste sábado, e pode estar perto de deixar o Atlético (Foto: Bruno Cantini / Site Oficial do Atlético-MG)

A próxima missão do Galo não é das mais fáceis, em virtude da disputa exaustiva da partida de quarta feira, na qual a decisão foi prolongada até os pênaltis, o técnico Cuca decidiu escalar um time misto para o clássico.

– A gente não esqueceu do clássico de jeito nenhum. Lógico que não vou por os titulares porque eles não têm condições. Estão todos cansados, estressados. O maior cansaço é aqui (aponta para a cabeça). Eu nem dormi direito. Dá um medo daquelas bolas do pênaltis entrarem ainda (risos). Não é desrespeito a ninguém. É que corre o risco de perder alguém. Talvez dois que jogaram joguem no domingo.

O resultado que o alvinegro busca é inédito, desde a reinauguração do Mineirão, que terminou em 2×1 para o Cruzeiro contra o Atlético, a equipe celeste venceu todas as onze partidas que disputou no estádio. Inclusive uma delas foi a vitória sobre o rival deste domingo, na final do Campeonato Mineiro.

Os dois jogadores titulares que Cuca disse usar devem ser Marcos Rocha e Richarlyson, que não jogaram a final da Libertadores por estarem suspensos, portanto o Atlético deve ir a campo com: Giovanni; Michel, Rafael Marques, Gilberto Silva e Richarlyson; Rosinei, Lucas Cândido e Marcos Rocha; Luan, Alecsandro e Neto Berola.

No Cruzeiro o recém contratado Willian foi liberado para fazer sua estreia, e deve começar a partida no banco, e a equipe titular deve ser: Fábio; Mayke, Bruno Rodrigo, Dedé e Egídio; Nilton, Souza, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart; Luan e Vinícius Araújo.

 

Anúncios




“Eu acredito!”: Galo acreditou e conquistou a América

25 07 2013

Atlético MG conquistou o título mais importante de sua história

Por Camila Andrade

Galo conquista a Libertadores pela primeira vez (Foto: Vanderlei Almeida/ AFP))

Galo levanta a taça (Foto: Vanderlei Almeida/ AFP)

A noite desta quarta-feira (24) ficou na história do futebol brasileiro e, principalmente, do Clube Atlético Mineiro. O título inédito; a artilharia; o segundo time brasileiro a levantar a taça na disputa de pênaltis, na competição; a maior renda do futebol nacional; as defesas de Vítor; o primeiro time a ser o melhor na primeira fase e conquistar o título. Estes e outros motivos foram o que garantiram ao Galo, a conquista da América.

Motivados pelo “Eu acredito!”, o Atlético MG, conseguiu marcar dois gols, diante do Olimpia, no Mineirão, e levar a decisão para a prorrogação, em seguida para as penalidades. Victor defendeu a primeira cobrança; viu a bola ir para fora, na última; e seus colegas não desperdiçaram.

Eram exatos 58.620 torcedores, que formaram um mosaico com a frase: “Galo, Yes, We CAM”, e viram Victor, Michel, Réver, Leonardo Silva, Júnior César, Pierre, Josué, Ronaldinho, Bernard, Diego Tardelli e Jô, pisarem no gramado, precisando reverter o placar, que dava a vantagem ao time do Paraguai, por ter vencido por 2 x 0, no Defensores del Chaco.

Galo conquista a Libertadores pela primeira vez (Foto: Vanderlei Almeida/ AFP)

Ronaldinho e Jô comemoram primeiro gol (Foto: Vanderlei Almeida/ AFP)

A tarefa não era fácil, Gaúcho, Tardelli e Jô, logo de inicio tentaram abrir o placar, mas a sorte parecia que passava longe do Mineirão, naquela noite. Depois das tentativas mineiras, aos 25, Victor evitou o pior, defendendo uma bola de Bareiro, que entrou na área pelo lado esquerdo.

Com o passar do tempo, as investidas ficavam paradas na forte marcação paraguaia. Bernard e Ronaldinho arriscavam de longe, já Réver e Leonardo subiam ao ataque e tentaram de cabeça, mas nada fazia com que o Galo abrisse o marcador. E isso se estendeu durante os primeiros 45 minutos. Zero a zero, o titulo era do Olimpia. Era!

No intervalo, Pierre, com dores, saiu para a entrada de Rosinei. De volta ao gramado, apenas um minuto de partida e Jô, apareceu. O atacante aproveitou uma falha na zaga, e bateu no canto direito de Martín Silva. 1 x 0, dava para acreditar. Mesmo porque, o Olimpia se soltou mais em campo, o que fez com que o Galo fosse mais ao ataque.

Galo conquista a Libertadores pela primeira vez (Foto: Vanderlei Almeida/ AFP)

Leonardo comemora gol (Foto: Vanderlei Almeida/ AFP)

Jô ficou no quase, pelo segundo gol; Tardelli, mandou uma bola na trave e caiu na área em outra oportunidade; Ronaldinho passou a chamar o jogo para ele; Cuca tirou Michel e colocou Alecssandro. Os mineiros ficavam cada vez mais próximos de conseguir empatar no placar agregado.  Até que, aos 38, um susto: Ferreyra conseguiu driblar Victor , mas escorregou. Era a deixa para Acreditar.

O tempo ia se esgotando, eram 41 minutos de partida. Bernard cruzou pela direita, Leonardo Silva, tentou de cabeça e conseguiu mandar para o fundo do gol. 2 x 0. O resultado que o Atlético precisava para levar o jogo para a prorrogação. Mais trinta minutos para o título. Foram os minutos mais sofridos da vida do Galo mineiro e não parou por ai. Sem gols, a decisão seria decidida nas penalidades.

Galo conquista a Libertadores pela primeira vez (Foto: Gil Leonard/LANCE!Press)

O herói atleticano (Foto: Gil Leonard/LANCE!Press)

De um lado: Miranda, Ferreyra, Candía, Aranda, Giménez e o goleiro Martín Silva. Do outro: Alecsandro, Guilherme, Jô, Leonardo Silva, Ronaldinho e Víctor, o goleiro que fez do Galo forte, acreditar, lutar e vencer. O arqueiro defendeu a primeira, de Miranda; os outros três paraguaios bateram e converteram; já os mineiros, anotaram os quatro primeiros; Ronaldinho seria o último, seria. Giménez, bateu para fora. O título era do alvinegro mineiro.

– Eu voltei para o Brasil para isso. Há pouco tempo diziam: ‘o Jô está acabado, o Ronaldinho está acabado’. Mostramos que nem sempre o atleta é o errado. Não estou dizendo que o jogador não comete erros, mas nem sempre o erro é deles – comentou Gaúcho, após a conquista.

– Por tudo que vivemos, que passamos, pela estrutura do clube… Hoje, fomos abençoados por tudo isso – desabafou Víctor, herói do Galo.

Cuca comemora a conquista (Foto: Douglas Magno/ AFP)

– Estou muito feliz. Ainda não caiu a ficha, mas ganhar dá um alívio enorme – disse o técnico Cuca, chamado de azarão.

– Ela é mais gostosa do que mulher! #Galo – escreveu Alexandre Kalil, em sua página no Twitter.

Os espectadores, que fizeram a festa e garantiram, também, a maior renda da história do futebol brasileiro (R$14.176.000,00), viram o Atlético MG, conquistar sua primeira Libertadores da América.





Mineirão lotado para a final da Libertadores

22 07 2013

Cerca de 62 mil ingressos foram disponibilizados para torcida

Por Camila Andrade

Torcedor mostra ingresso para a final da Libertadores (Foto: Reprodução TV Globo Minas)

Torcedor exibe ingresso para a final no Mineirão (Foto: Reprodução TV Globo Minas)

Ao que tudo indica, a final da Libertadores da América, entre Atlético MG e Olímpia, terá o Novo Mineirão com lotação máxima. A diretoria do clube colocou a disposição cerca de 62 mil ingressos para os atleticanos e praticamente todos já foram adquiridos pelos torcedores que desde a madrugada de sexta-feira, fizeram filas para garantir um lugar na finalíssima.

A principio, os mineiros tentaram junto a Conmebol, para que a partida fosse realizada no Independência. Estádio que adotaram para os outros confrontos da competição, mas como o regulamento da entidade exige o mínimo de 40 mil lugares para a final, o jogo foi transferido para o Mineirão, que passou por reforma.

Para Tardelli, o palco ideal para buscar o título é mesmo o Mineirão.

– Eu particularmente sempre gostei do Mineirão. Claro que o Independência é nossa casa, onde temos bom rendimento, mas quando fiquei sabendo que a final seria no Mineirão, foi muito bom. O Mineirão é meu palco, foi onde tudo de bom aconteceu para mim – disse.

– Agora temos que fazer um caldeirão do Independência no Mineirão. É o campo ideal para a gente, com 60 mil torcedores empurrando a gente. Acho difícil as coisas darem errado – completou, acreditando no título.

Torcida lotará Mineirão (Foto: Gil Leonardi)

O Atlético perdeu a primeira partida no Defensores Del Chaco, por 2 x 0, e para levantar a taça, terá que vencer por três gols de diferença ou dois, para levar a disputa para as penalidades. Ronaldinho Gaúcho postou em seu twitter, uma frase que demostra a confiança para o jogo: “O que move a gente é a frase: EU ACREDITO!”. Tardelli e Jô prometem retribuir o carinho do torcedor

– É diferente tudo que fazem por nós, pelo carinho demonstrado no dia a dia, são cartas, meu carro estava cheio de papel, mensagens de incentivo. Isso não tem preço. Isso eu quero retribuir em campo – finalizou.

– Aonde vou, seja no supermercado ou no restaurante, sempre tem um apoio. Durante toda a Libertadores, sempre foi assim, eles sempre apoiam. Vejo o sofrimento do torcedor, sem dormir por vários dias. Eles sofrem conosco a cada partida, jogam junto. Então, pode ter certeza que vamos correr muito para dar esse título a eles – declarou o atacante Jô.

A partida entre Atlético Mineiro e Olímpia, ocorrerá nesta quarta-feira, às 21h50, no Mineirão. Enquanto os mineiros buscarão o primeiro título da competição, os paraguaios tentarão o tetra.





Atlético MG terá que reverter o resultado no Mineirão

18 07 2013

Galo mineiro perdeu para o Olímpia e agora tem que vencer para ser campeão

Por Camila Andrade

A situação não é nada fácil para o Atlético MG. A equipe mineira foi ao Defensores Del Chaco, em Assunção, nesta quarta-feira (17) e por 2 x 0, perdeu para o Olímpia. Agora, para conquistar o primeiro título da Copa Libertadores da América, terá que vencer por três gols de diferença para levantar a taça.

Jogadores do Olimpia comemora primeiro gol ((Foto:Noberto Duarte/ AFP)

A primeira etapa começou com os mineiros jogando bem, detendo um bom volume de jogo, chances de abrir o marcador com Marcos Rocha e um gol anulado de Tardelli. Mas, o time da casa se impôs e abriu o placar, aproveitando uma brecha na marcação do time adversário. Aos 22 minutos, Alejandro Silva, na intermediária, bateu e a bola passou no canto esquerdo de Víctor e encontrou as redes.

CONFIRA: Site da Fifa afirma que Cuca pode acabar com a “fama de azarado”

Na volta do intervalo, o Galo, mais veloz, tentou igualar, porém as investidas de Diego Tardelli não foram o suficiente para que isso acontecesse e os mineiros foram diminuindo o ritmo ao decorrer da partida. Ronaldinho, apagado, foi substituído por Guilherme, que por sua vez, deixou Jô duas vezes na cara do gol e em mais duas oportunidades, desperdiçou gols.

Aos 44 minutos, Richarlyson foi expulso e logo após uma falta perigosa na intermediária, um gol para complicar a vida do Galo. Pittoni acertou um belo chute que finalizou o placar. Como o assunto do Horto está morto, o Atlético jogará no Mineirão, dia 24, para tentar reverter o placar.





Independência ou… Mineirão

15 07 2013

Entenda a questão que está mobilizando o Atlético antes da final

Por Matheus de Andrade

http://www.hojeemdia.com.br/polopoly_fs/1.77353.1357898566!/image/image.jpg_gen/derivatives/landscape_315/image.jpg

Mineirão, onde o jogo está marcado (Foto: Sylvio Coutinho/Divulgação)

O Atlético Mineiro mal tinha passado pelas semifinais da Libertadores, e a questão sobre onde seria realizada a segunda partida da final já era o foco. Segundo o regulamento da competição, o jogo não poderia ser realizado no Independência, que tem capacidade para no máximo 23 mil pessoas. O mínimo exigido é de 40.000 lugares.

A situação não é inédita para clubes brasileiros, em 2005 o Atlético Paranaense teve de mandar sua partida no Beira Rio, já  que a Arena da Baixada não possuía os requisitos mínimos. Outros clubes também tiveram que jogar fora de seus domínios. E dentre eles a única equipe do Brasil que conseguiu se sagrar campeã foi o Santos de Pelé.  Caso o Atlético jogue no Mineirão, deve ter casa cheia, inclusive com um recorde de arrecadação no futebol brasileiro sendo previsto, no entorno de oito milhões de reais. A partida que detém tal marca é a entre Santos x Flamengo, no Mané Garrincha, na abertura do Brasileirão.

A grande questão é que o regulamento já foi e inclusive será quebrado. O Paraguai não possui nenhum estádio com capacidade maior que 40.000 lugares, e a partida da final, entre Olimpia e Atlético está marcada para o Defensores del Chaco, liberado para 36.000 pessoas. O clube mineiro se baseia nessa brecha no regulamento para mandar a segunda partida no Independência, onde está invicto após a reforma. O “caldeirão” que o estádio proporciona é considerado fundamental pela diretoria atleticana, que ganhou auxilio da CBF para poder conseguir o mando.

– Na quarta-feira estarei no Defensores del Chaco para torcer pelo Atlético-MG, e estou certo de que não haverá problema algum. Pelo mesmo raciocínio, pelo cumprimento do princípio da igualdade, estarei no dia 24 de julho na casa do Atlético-MG, no Independência – afirmou Marín, presidente da entidade.

https://i0.wp.com/www.vavel.com/files/Festa_Independencia_CantiniClube_Atletico_Mineiro_LANIMA20120626_0157_26_288177991.jpg

Independência, onde o Atlético conta com brecha no regulamento para jogar (Foto: Cantini/Clube Atlético Mineiro)

A decisão será tomada nos próximos dias, e os rumores de que a CONMEBOL vem agindo contra os interesses das equipes brasileiras poderão ter mais um episódio, principalmente pelo fato da sede da confederação se localizar no Paraguai.

De definido, apenas que a primeira partida será nesta quarta feira(17), no Defensores del Chaco, às 21:50 min. Todos os ingressos já foram vendidos, para a partida que iniciará a definição, se teremos o Olimpia como tetra campeão, ou o Atlético conquistando seu primeiro titulo. O segundo jogo está marcada para a quarta que vem, dia (24) também ás 21:50 min. Se teremos Mineirão ou o Independência como palco só o tempo dirá, mas a promessa é de casa cheia em qualquer um dos dois estádios.





Mineirão será o palco da final entre Atlético MG e Olímpia

11 07 2013

Conmebol segue o regulamento e manda a final da competição para o Mineirão

Por Camila Andrade

MIneirão pronto para receber público (Foto: Fifa/Divulgação)

O Novo Mineirão, receberá a final da Libertadores 2013 (Foto: Fifa/Divulgação)

Apesar de inicialmente o site da Conmebol manter na tabela o estádio da Independência, para a final diante do Olímpia. A entidade divulgou na manhã desta quinta, que a partida de volta será dia 24, no estádio do Mineirão, contrariando o desejo do Atlético MG e seguindo o regulamento da competição, que prevê que os jogos das finais ocorram em estádios com capacidade mínima de 40 mil pessoas.

O estádio Raimundo Sampaio, conhecido como Independência, pertence ao América Mineiro e tem capacidade para cerca de 23 mil espectadores e abrigava as partidas do clube atleticano e onde não perde uma partida há mais de 50 jogos.

O presidente do Galo, Alexandre Kalil, disse, logo após a partida diante do Newell’s Old Boys, que iria tentar a final no Independência, pois aproveitaria uma brecha, afinal, o primeiro confronto, no dia 17, será no Defensores del Chaco, com capacidade para 36 mil.

Segundo a entidade, a disputa do título será mesmo no Mineirão, conforme divulgou no site oficial.

“No dia 17 deste mês será a primeira partida em Assunção, no Estádio Defensores del Chaco, e a revanche será uma semana depois, no dia 24, no Estádio Mineirão de Belo Horizonte.”

“Para a final o Galo deverá sair do estádio Raimundo Sampaio, mais conhecido como estádio Independência, propriedade do clube América, onde fez de local até a semifinal”, em nota divulgada no site da entidade.

O Atlético Mineiro, venceu nesta quarta-feira, o Newell’s Old Boys e disputará pela primeira vez uma final da Libertadores. Os brasileiros enfrentarão o Olímpia, que venceu o Santa Fé e agora tenta conquistar o tetra campeonato da competição.





Copa das Confederações: Volante artilheiro é lindo! Aos 40 minutos, Paulinho classifica o Brasil

26 06 2013

Mesmo jogando mal, Brasil supera as dificuldades e as “catimbas” e se garante em mais uma final

Por Gustavo Soler

 

Decisivo, Paulinho garante o triunfo brasileiro no Mineirão (Foto: AFP)

Decisivo, Paulinho garante o triunfo brasileiro no Mineirão (Foto: AFP)

Nesta quarta-feira (26), Brasil e Uruguai se encararam pela semifinal da Copa das Confederações. A partida foi realizada no estádio do Mineirão, no mesmo local em que a Seleção Brasileira venceu na inauguração do estádio. A curiosidade é que a equipe Canarinha foi representada pelo time do Palmeiras. A Celeste tem um passado que assombra o Brasil: em 1950, os uruguaios venceram a Copa do Mundo no Brasil. Nesta partida, o time de Luiz Felipe Scolari venceu no sufoco por 2 a 1 e agora espera pelo vencedor de Espanha e Itália.

A primeira etapa começou com as duas equipes se estudando muito, diferentemente dos outros jogos. O Brasil começou muito mal no jogo. Aos doze minutos, David Luiz puxou Lugano dentro da área e o juiz deu o pênalti. Na cobrança, Forlan bateu no canto direito e Júlio César fez a defesa. A seleção Brasileira não se encontrava no confronto. Aos 26 min, Hulk tabelou com Fred, porém, o camisa 19 mandou a bola pra longe.

Forlan voltou a aparecer. Aos 30 minutos, Matin Cáceres cruzou para o camisa 10, que ajeitou e bateu de esquerda, tirando tinta do gol de Júlio César. O Brasil se encontrou no jogo aos 36, após boa jogada de Marcelo pela esquerda. Fred se esticou e o zagueiro Godin fez o corte, porém, o árbitro deu tiro de meta. A equipe Canarinha chegou mais uma vez com 40 min: Paulinho lançou, Neymar ganhou na corrida de Lugano e deu um toquinho na saída de Muslera, o camisa 1 do Uruguai defendeu, no entanto, Fred aproveitou o rebote e abriu o placar.

No oportunismo, Fred abri o placar para o Brasil no Mineirão (Foto: AFP)

No oportunismo, Fred abri o placar para o Brasil no Mineirão (Foto: AFP)

O Uruguai começou o segundo tempo com tudo. Logo aos 2 min, um bate-rebate dentro da área brasileira: Cavani ganhou de Marcelo  bateu de esquerda no cantinho de Júlio César para empatar o jogo. A resposta veio rápida, aos 8 min. Muslera saiu errado, Oscar tentou o toque de cobertura, mas a zaga conseguiu desviar e mandar para escanteio. Com 11 min, Hulk cobrou falta da intermediária e Muslera rebateu de qualquer jeito.

Luís Suárez por pouco não virou o jogo depois de cobrança de falta de Forlan. O camisa 9 subiu sozinho, porém, a redonda passou sobre o gol de Júlio César. Na primeira jogada de Bernard no jogo, o meia do Atlético Mineiro cruzou na medida para Fred, no entanto, o centroavante brasileiro mandou a bola pra longe. A Celeste respondeu: Cáceres avançou pela esquerda e deixou para Cavani; o atacante do Napoli se livrou de Hernanes e chutou, a jogada desviou em Luiz Gustavo e assustou o arqueiro brasileiro.

Depois de confusão, Neymar manda beijinho irônico para González (Foto: Reprodução Sportv)

Depois de confusão, Neymar manda beijinho irônico para González (Foto: Reprodução Sportv)

Após uma falta sofrida por Neymar, o volante Álvaro González chutou a bola em cima do camisa 10, que se irritou e bateu boca com o uruguaio. Aos 36 min, González foi substituído e ao sair de campo, o camisa 20 irritou novamente o craque brasileiro, que o xingou e mandou beijinhos de tchau. Na cobrança do escanteio, a zaga afastou e no rebote Marcelo mandou por cima do gol. A pressão do Brasil era enorme. Em novo escanteio, Neymar bateu bem, Paulinho subiu mais que Cáceres e tocou para o fundo das redes. Depois do segundo tento, a pressão mudou de lado, a Seleção Uruguai tentou o empate, Muslera foi para a área, mas não deu. O Brasil chegou a mais uma final de Copa das Confederações.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 2 X 1 URUGUAI

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data e hora: 26/6/13, às 16h
Árbitro: Enrique Osses (CHI)
Assistentes: Carlos Astroza (CHI) e Sergio Roman (CHI)
Público: 57483 presentes
Cartões amarelo: David Luiz, Luiz Gustavo, Marcelo (BRA); Cavani, A. Gonzalez (URU)
Cartão vermelho: –
Gols: Fred, aos 41’/1ºT (1-0), Cavani, aos 3’/2ºT (1-1), e Paulinho, aos 41’/2ºT (2-1)

BRASIL: Julio Cesar; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho e Oscar (Hernanes – 27’/2ºT); Hulk (Bernard – 18’/2ºT), Neymar (Dante – 45’/2ºT) e Fred. Técnico: Felipão.

URUGUAI: Muslera; M. Pereira, Godin, Lugano e Cáceres; A. Gonzalez (Gargano – 37’/2ªT), Arévalo e C. Rodriguez; Cavani, Forlán e Suaréz. Técnico: Oscar Tabaréz.








%d blogueiros gostam disto: