O ‘surpreendente’ Luverdense vence o Corinthians na Copa do Brasil; relembre algumas ‘zebras’ históricas da competição

22 08 2013

Entre tantas surpresas estão o Palmeiras eliminado pelo ASA, Santo André e Paulista campeões contra Flamengo e Fluminense, respectivamente

Por Diogo Arraes

Na noite desta quarta-feira (21) muitos torcedores corintianos pareceram não acreditar no que viram. O campeão mundial, da Libertadores e um dos candidatos ao título do Campeonato Brasileiro deste ano, perdeu para o Luverdense/MT, time da terceira divisão do brasileirão, por 1 a 0, em partida válida pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil. Além disso, Romarinho e Émerson Sheik foram expulsos e desfalcam a equipe para o jogo de volta, que acontecerá na próxima quarta-feira (28), no Pacaembu.

Parece mesmo que o abismo financeiro e estrutural entre as equipes muitas vezes desaparece quando um time ‘menor’ enfrenta uma equipe de maior expressão, na Copa do Brasil. O torneio começou em 1989 e, por diversas vezes, clubes considerados pequenos aprontaram contra os gigantes do futebol nacional.

Retrospectiva das surpresas na Copa do Brasil

Vasco x CSA

Em 1992 o Vasco tinha um bom time com Valdir, Edmundo e Roberto Dinamite. Enfrentou o CSA nas oitavas-de-final, no primeiro jogo em Alagoas houve empate por 3 a 3. Na partida de volta em São Januário o time carioca pressionou, mas acabou levando a pior com um gol do time alagoano. A partida terminou 1 a 0 e a Copa do Brasil acabou para o time cruzmaltino.

Vasco tinha um bom time, mas foi surpreendido pelo CSA. ( Foto: supervasco.com)

Vasco tinha um bom time, mas foi surpreendido pelo CSA. ( Foto: supervasco.com)

Palmeiras x ASA

No início de 2002, o Palmeiras nem imaginava que chegaria a ser rebaixado para a segunda divisão do brasileirão daquele ano. Estava na primeira fase da Copa do Brasil e se deparou com um time pouco conhecido de Alagoas, o ASA. No primeiro jogo em Arapiraca o time da casa ganhou por 1 a 0.

A partida de volta foi no estádio Palestra Itália e o Palmeiras tinha um bom time com Marcos, Arce, Alex e outros mais. O Verdão começou pressionando, fez 1 a 0, mas o ASA empatou. Com esse gol, os paulistas teriam que fazer 3 a 1 para se classificar para a segunda fase. Fizeram só 2 a 1 e o Palmeiras foi eliminado da competição. Uma das maiores zebras até hoje.

Verdão tropeçou no ASA em 2002 (Foto: jovempan.com.br)

Verdão tropeçou no ASA em 2002 (Foto: jovempan.com.br)

Flamengo x Santo André

O confronto era entre o Flamengo, grande campeão nacional, da Libertadores e Mundial e o Santo André, time modesto do ABC paulista. Tinha tudo para ser uma ‘barbada’, apesar de o time de São Paulo já ter eliminado Palmeiras e Atlético/MG, durante aquela Copa do Brasil de 2004.

Os dois chegaram à final, o primeiro jogo em Santo André terminou empatado por 2 a 2. O Flamengo tinha o goleiro Júlio César, Róger, Athirson e o técnico Abel Braga; além de um Maracanã com mais de 70 mil pessoas. Mas o ‘ramalhão’, como é conhecido o Santo André, não se abateu e marcou 2 a 0. O ABC paulista tinha um campeão inédito.

Santo André calou mais de 70 mil flamenguistas em 2004 (Foto: estadao.com.br)

Santo André calou mais de 70 mil flamenguistas em 2004 (Foto: estadao.com.br)

Fluminense x Paulista

Uma equipe que elimina Internacional, Cruzeiro e Botafogo chega com credenciais muito boas para uma final. Essa era a campanha do Paulista, time do interior de São Paulo, precisamente Jundiaí. Do outro lado havia o Fluminense, time de grande expressão e salários muito maiores que o time paulista. Esse era o cenário para os confrontos decisivos da Copa do Brasil de 2005.

O que ocorreu com o Flamengo no ano anterior estava fresco na memória do tocedor tricolor carioca, mas nem o mais pessimista acreditaria em uma derrota do Flu. O primeiro jogo aconteceu em Jundiaí, com vitória por 2 a 0 para o Paulista. Na partida de volta, em São Januário, o Fluminense se lançou ao ataque, mas o técnico da equipe paulista, Vagner Mancini, armou um esquema bem fechadinho e o time de Jundiaí conquistou a taça pela primeira vez, com um empate em 0 a 0.

Jogadores do Paulista comemoram o feito inédito diante do Fluminense (Foto: Gazeta Press)

Jogadores do Paulista comemoram o feito inédito diante do Fluminense (Foto: Gazeta Press)

O que o torcedor corintiano se pergunta é: ”Será que vamos entrar para esse ‘seleto’ grupo?”. O tempo e a partida de volta contra o Luverdense vão dizer se o Corinthians vai se comportar como time grande que é e passar de fase. Ou se a fábula de Davi e Golias vai ser adaptada aos tempos modernos e o time do Mato Grosso será mais uma surpresa na história da Copa do Brasil.

 

Anúncios




Brasileirão: Vasco x Flamengo, Criciúma x Goiás

15 07 2013

Flamengo vence e coloca Vasco na zona de rebaixamento. Criciúma e Goiás empatam sem gols.

Por Camila Andrade

Confira no Jornalismo Futebol Clube, o resumo de duas partidas que fecharam a sétima rodada do Campeonato Brasileiro, neste domingo (14), às 18h30.

Vasco 0 x 1 Flamengo

Paulinho marcou o gol da Gávea (Foto: Francisco Stuckert/LANCE!Press)

Vasco e Flamengo foram ao Estádio Mané Garrincha, em Brasilía, para disputar o clássico, que terminou com a vitória do time da Gávea, por 1 x 0, o que colocou o rival na zona de rebaixamento.

Após a saída do técnico Paulo Autuori, que assinou com o São Paulo, Dorival Júnior assumiu o comando do luso-carioca e viu seu novo clube sofrer a derrota. Já aos 29, do primeiro tempo, o novo treinador e os mais de 60 mil torcedores, acompanharam Elias entrar na área e chutar para a defesa de goleiro e no rebote, o jovem Paulinho mandar para as redes e marcar seu primeiro gol com a camisa rubro-negra.

A vitória tirou o Flamengo da zona de degola e agora o time ocupa a 11ª posição na tabela com nove pontos. Já o Vasco, afundou e foi para a 17ª colocação, com sete pontos.

Na próxima rodada, a equipe de Mano Menezes, vai ao Centenário, enfrentar o Internacional, domingo às 16h. Mais tarde, às 18h30, quem entra em campo é o time do São Januário, para o confronto contra o Fluminense, no Maracanã.

CONFIRA TAMBÉM: Cruzeiro goleia Náutico no Mineirão

Criciúma 0 x 0 Goiás

Valmir Lucas e Wellington Paulista, Criciuma x Goiás (Foto: Fernando Ribeiro/Futura Press)

Equipes não sairam do zero (Foto: Fernando Ribeiro/Futura Press)

A chuva parece ter esfriado a partida entre Criciúma e Goiás e as duas equipes não saíram do zero, no Heriberto Hülse, na partida que fechou a rodada.

O começo da partida ainda foi boa, com algumas chances de gols, porém, no decorrer do tempo, as equipes foram enfraquecendo, houveram muitos passes errados, para os dois lados e o resultado não poderia ter sido outro.

O que esquentou por um instante o jogo, foi em um lance no segundo tempo, quando Ivo bateu escanteio e quase marcou um gol olímpico. Mas, Serginho cabeceou e a bola não entrou.

Com um ponto para as duas equipes, o Criciúma foi a sete pontos e o Goiás, nove, ocupando a 16ª e 13ª posição, respectivamente. Na rodada de número oito, o Criciúma recebe o Grêmio, sábado, às 18h30. Neste mesmo horário, mas no dia seguinte, o Goiás, enfrenta a Portuguesa, no Serra Dourada.

Confira os jogos da sétima rodada do Campeonato Brasileiro:

13/07 – Sábado 

Fluminense 2 x 3 Internacional

Santos 4 x 1 Portuguesa

Ponte Preta 0  x 0 Bahia

14/07 – Domingo

Corinthians 0 x 1 Atlético MG

Vitória 3 x 2 São Paulo

Grêmio 2 x 1 Botafogo

Coritiba 1 x 0 Atlético PR

Vasco 0 x 1 Flamengo

Criciúma 0 x 0 Goiás

Cruzeiro 3 x 0 Náutico





Flamengo tenta a contratação do lateral-esquerdo André Santos

11 07 2013

Dispensado pelo Grêmio, o jogador não deve retornar ao Arsenal-ING. Negócio tem o aval de Mano Menezes, que trabalhou com o atleta no Corinthians

Por Leonardo Perri

André Santos é a bola da vez no Flamengo (Foto: Lucas Uebel/Divulgação/Grêmio)

André Santos é a bola da vez no Flamengo (Foto: Lucas Uebel/Divulgação/Grêmio)

Faltam nove dias para a janela de transferências para jogadores que vem do exterior se encerrar, mas o Flamengo ainda busca opções no mercado e a bola da vez no clube da Gávea é o nome do lateral-esquerdo André Santos. O jogador que atou esse ano pelo Grêmio não agradou no sul do país e foi liberado antes mesmo do empréstimo com o Arsenal-ING acabar para procurar outro clube.

Ainda com contrato com o time inglês, a negociação se encaixa nos moldes de uma transferência internacional e depende apenas da liberação do Arsenal, mas faz com que o clube carioca corra para tentar viabilizar o negócio, visto que o prazo de inscrições se encerra  no dia 20. Outra questão a ser solucionada é a do também lateral-esquerdo Ramon, que precisa ser negociado para a transferência ocorrer.

O nome do atleta agrada principalmente ao técnico Mano Menezes, responsável pela melhor fase de André quando trabalharam juntos no Corinthians. A diretoria flamenguista também aprova o nome e as primeiras tratativas já estão em andamento para que o ex-gremista se junte ao elenco que tem pela frente a disputa da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro.

Se concretizado o negócio, não será a primeira vez que André Santos vestirá a camisa do Flamengo. Entre 2005 e 2006 o lateral teve uma breve passagem pelo clube onde não se destacou. A consagração veio quando atuava pelo Corinthians, junto com Mano Menezes. Em seguida foi negociado com o Fenerbahçe, da Turquia. Chegou a jogar pela Seleção Brasileira e logo foi para o Arsenal, da Inglaterra, onde não obteve sucesso.





Brasileirão: Botafogo x Cruzeiro, Atlético PR x Flamengo, Santos x Grêmio

2 06 2013

Botafogo vence e chega ao G4. Enquanto o Cruzeiro tem sua primeira derrota na competição. Nas outras partidas, somente o Grêmio já venceu até agora.

Por Camila Andrade

A terceira rodada do Brasileirão teve inicio neste sábado (02), com três partidas realizadas às 16h20. O Jornalismo FC faz um resumo destes primeiros jogos da rodada.

Botafogo 2 x 1 Cruzeiro

Vitinho lodeiro botafogo gol cruzeiro (Foto: Satiro Sodré / Divulgação)

Lodeiro marca e recebe abraço de Vitinho (Foto: Satiro Sodré / Divulgação)

Duas falhas do Cruzeiro foram suficientes para que a equipe do Botafogo vencesse os mineiros por 2 x 1, na tarde deste sábado, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.

Logo nos primeiros minutos de partida o Bota aproveitou uma a primeira oportunidade e abriu o placar. O cruzeirense, Leandro Guerreiro mandou muito mal no recuo para Dedé, Vitinho aproveitou e chutou, no rebote, Lodeiro não perdeu tempo e marcou o primeiro gol do jogo.

Ainda na etapa inicial o empate. Anselmo Ramon chutou a bola, sem ângulo, mas a redonda desviou em Bolivar, foi de fronte a trave, bem nas costas do arqueiro do time carioca e a igualdade foi anotada. Já no segundo tempo, Nilton se atrapalhou e acabou levantando demais a perna, atingindo Lucas. O juiz marcou a penalidade e mais uma vez, Lodeiro, marcou o tento e deu a vitória carioca.

Com a vitória, o Botafogo soma sete pontos e fica entre os quatro primeiros colocados e vai ao Batistão, enfrentar o Bahia, às 22h, na quarta-feira (05/06).  Já o Cruzeiro permanece com quatro pontos e recebe o Corinthians, no mesmo dia e horário, na arena do Jacaré.

Atlético PR 2 x 2 Flamengo

O Atlético PR, com dois gols de Éderson, vencia a partida diante do Flamengo, mas os cariocas reagiram e conseguiram arrancar o empate em três minutos com Marcelo Moreno e Renato Abreu, e a partida terminou em 2 x 2, na Arena Joinville.

Moreno e Jonas, Atlético-PR x Flamengo (Foto: Petra Mafalda/Agência Estado)

Moreno marcou o primeiro gol da reação do Flamengo(Foto: Petra Mafalda/Agência Estado)

Muito superior na partida, o Atlético PR, conseguiu abrir o placar ainda no primeiro tempo, com Éderson. Jonas cobrou lateral e González estava desatento e o paranaense aproveitou e avançou, Renato Santos estava no caminho, mas ficou parado, então o atleticano só deu um toque por baixo e a bola entrou para o gol. Ainda superior na etapa complementar, o segundo do Furacão. Pela direita, Ederson de voleio, aumentou a vantagem. Mas, o Flamengo soube reagir e bastaram três minutos para isso. Marcelo Moreno, de cabeça, diminuiu o marcador. Logo depois, em falha da defesa, também em jogada pelo alto, Renato Abreu, livre, tocou e empatou.

Ainda sem vitórias e com o segundo empate, os paranaenses ficaram com dois pontos somados. A próxima partida para o Atlético será no estádio Moisés Lucarelli, diante da Ponte Preta, quarta-feira (05), às 21h. Com a mesma pontuação, o Flamengo recebe neste mesmo dia, às 22h, no Orlando Scarpelli, o Náutico.

Santos 1 x 1 Grêmio

Sem Neymar, vendido ao Barcelona e Muricy Ramalho, que deixou o cargo nesta semana, o Santos recebeu o Grêmio, na Vila Belmiro e a partida terminou empatada em 1 x 1, com gols de Willian José e Vargas.

Willian Jose, Santos x Grêmio (Foto: Ricardo Saibun/Agência Estado)

Willian José empatou o jogo (Foto: Ricardo Saibun/Agência Estado)

A equipe santista jogou em casa, mas quem saiu à frente no placar foram os gremistas. O chileno Vargas recebeu passe de profundidade de Zé Roberto. O atacante livre na área chutou e o goleiro Rafael não conseguiu evitar o gol. A equipe do então técnico, Claudinei, que assumiu o Santos, interinamente, após demissão de Muricy, conseguiu igualar o marcador. Souza, dentro da área, colocou a mão na bola e o árbitro anotou a penalidade. Willian José foi lá e mandou uma bomba no meio do gol. O arqueiro que caiu para a direita não evitou a igualdade e a partida terminou com um gol para cada lado.

Na próxima rodada, o Santos vai ao Heriberto Hulse, enfrentar o Criciúma, na quarta-feira (05), às 19h30, e tenta sair dos dois pontos anotados até agora. Com quatro pontos somados, o Grêmio recebe, no mesmo dia, o Vitória, às 21h, na Arena do Grêmio.

Confira todos os jogos da terceira rodada do Campeonato Brasileiro

Sábado (01/06)

Botafogo 2 x 1 Cruzeiro

Atlético PR 2 x 2 Flamengo

Santos 1 x 1 Grêmio

Vitória x Vasco da Gama

Goiás x Coritiba

Corinthians x Ponte Preta

Domingo (02/06)

Fluminense x Criciúma

Internacional x Bahia

Náutico x Portuguesa

Atlético MG x São Paulo





Aldo Rebelo defende patrocínio de empresas estatais e maior participação do governo na gestão do Esporte

28 05 2013
Ministro Aldo Rebelo fala sobre futuro do futebol brasileiro

Ministro Aldo Rebelo fala sobre futuro do futebol brasileiro



Danilo Gonçalo

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, é favorável aos patrocínios de empresas estatais a clubes do Brasil e defende uma maior participação do Governo Federal na gestão das entidades esportivas do País.

Em reunião com um time de 11 jornalistas e blogueiros na segunda-feira (27), o ministro afirmou que o Governo precisa voltar a ter influência políticas nas entidades que comandam o esporte no Brasil.

“Defendo que o Estado tenha poder de impor regras e limites por interesse público e por interesse nacional”, afirmou Aldo. O ministro explicou que a intromissão na gestão é necessária para limitar mandatos de dirigentes e evitar que sejam usados para “projetos pessoais” em detrimento do esporte. “defendo a limitação dos mandatos e a profissionalização da gestão”, disse.

Ministro do Esporte quer evitar que futebol “vire ópera”

Aldo aponta que, como financiador do esporte nacional, o Estado tem o dever de cobrar uma gestão profissionalizada. “Vamos pôr R$ 1 bilhão na preparação de atletas para a Olimpíada do Rio, por que não podemos ter participação [nas decisões]?”

O titular do Ministério do Esporte afirmou ainda que concorda com o patrocínio das estatais a clubes. Palmeirense, deixou a paixão de lado para dizer que os acordos da Caixa Econômica Federal com Corinthians e Flamengo não foi uma decisão governamental, mas “mercadológica”, e descartou ser uma tentativa de o Estado se infiltrar na gestão dos clubes pela porta dos fundos, forçando a profissionalização da gestão.

“Foi uma decisão mercadológica. Dá mais retorno para as empresas que pôr dinheiro na televisão”.

Ex-Santos, André é apresentado pelo Vasco

Apesar da negativa do ministro sobre forçar a profissionalização, o patrocínio das estatais acaba – com ou sem esse objetivo – obrigando os clubes a melhorar sua gestão. Nenhum clube pode receber dinheiro dessas empresas se dever alguns impostos para o Governo, todos precisam apresentar uma CND (Certidão Negativa de Débito) para assinar contrato.

Patrocínio x Retorno

O ministro defendeu de forma ferrenha o patrocínio das estatais aos clubes esportivos e afirmou que o futebol dá mais retorno que aplicar dinheiro em publicidade em jornais, revistas e TV.

Neymar é a segunda contratação mais cara do Barcelona

Aldo acrescentou que o investimento no esporte é muito menor que o volume pago aplicado nos meios de comunicação. “Ninguém torce para um canal de TV”, e a paixão é um bom meio de se explorar para ter retorno, segundo as regras do marketing.





De volta a Portuguesa, Diogo espera um bom ano para a equipe no Brasileirão

24 05 2013

Diogo retorna a Portuguesa para a disputa do Brasileirão e acredita que o time fará um bom campeonato

Por: Camila Andrade

'Tive outras propostas, mas o que pesou foi a vontade de voltar e minha identificação com a Portuguesa', afirmou o atacante Diogo (FotoArena)

Após passagens por Olympiacos, Flamengo e Santos, Diego retorna a Portuguesa (FotoArena)

Em entrevista exclusiva ao Jornalismo Futebol Clube, Diogo Luis Santo, falou sobre o começo de sua carreira na Portuguesa, suas passagens pelo Olympiacos, Flamengo, Santos, até sua volta ao Canindé.

O atacante Diogo, de 25 anos, aliado a sua técnica, logo no inicio foi destaque pelo Campeonato Paulista da série A2, em 2007, onde foi campeão. Na série B do Brasileiro, marcou 18 gols em 28 partidas, o que lhe rendeu, além do acesso do clube a elite do futebol brasileiro, o prêmio de melhor jogador da competição, naquele mesmo ano.

No Olympiacos (2008/12), conquistou a Super Liga Grega e Copa da Grécia. Emprestado ao Flamengo em 2010, teve uma passagem rápida e foi para o  Santos, no ano seguinte, conquistando  o Campeonato Paulista e a Copa Libertadores da América.

Diogo rescindiu seu contrato com o time grego e retornou em março de 2013 para a Portuguesa. Não pode ser inscrito no Paulista da A2 e viu de perto o segundo título do clube na competição. Até agora jogou somente duas partidas pela Copa do Brasil e aguarda ansioso o começo do Brasileirão e crê que a Lusa tem uma equipe experiente e poderá fazer um bom campeonato. Confira a entrevista do JFC com o jogador.

JFC: Como você se descobriu no futebol?

Diogo: Eu gosto de futebol de pequeno, desde quando eu nasci, praticamente. Quando tinha sete anos, minha mãe me levou para jogar em uma escolinha, que chama Pequeninos do Jóckey, joguei lá minha infância toda. Com 13 anos fiz um teste na Portuguesa e acabei ficando aqui. Passei por todas as categorias de base, até chegar no profissional. Quando cheguei no juvenil, vi que a coisa estava ficando um pouco mais séria. Então foi a partir daquele momento que achei que poderia tentar. Sabia que era difícil, tinha a possibilidade de dar certo, como também de não dar.

JFC: Você começou a jogar na Portuguesa e foi destaque tanto na A2 do Paulista, quanto na série B do Brasileiro, quando chegou a marcar 18 gols em 28 jogos, como foi isso?

Diogo: Eu tinha subido em 2006, foi um muito ano complicado, o time quase caiu para a série C do campeonato. Então a equipe veio muito desacreditada, e em 2007, foi perfeito. Para nós, saber que éramos desacreditados desde o começo, e provamos o contrário, fomos campeões da A2. Na série B, tivemos alguns tropeços no começo, foi muito difícil, mas conseguimos dar a volta por cima e também conseguimos o acesso. Foi muito especial para mim.

Diogo atacante do Olympiacos (Foto: Reuters)

Diogo atuou no Olympiacos, da Grécia (Foto: Reutres)

JFC: Após isso, você foi contratado pelo Olympiacos. Como foi sua passagem em terras gregas?

Diogo: Na verdade, foi na metade de 2008. Joguei algumas partidas do Brasileirão e logo depois fui vendido. Tenho um carinho muito especial pelo Olympiacos, fui recebido com muito carinho lá, meu primeiro ano foi muito bom. Ganhamos os dois títulos que disputamos, fiz gols. Então foi um ano bem especial. No segundo ano não foi tão legal, porque eu sofri com muitas lesões. Não foi a mesma coisa.

JFC: Como é sair jovem e ir para um país com outro idioma, outra cultura?

Diogo: O que ajudou bastante foi o clima do país na época que eu peguei, muito quente. Depois veio o frio, mas comparado com outros países da Europa não é igual à Rússia, Itália, Ucrânia, que o pessoal fala, que sofrem bastante. É claro que é diferente. A língua também é muito complicada, mas ali tinham outros brasileiros. Minha mãe ia sempre. Então procurava ficar perto desse pessoal, para superar isso.

JFC: Você chegou a ir para o Flamengo por empréstimo, na época que estava tendo o caso do Bruno e problemas também com o Adriano, conte-me sua passagem pelo clube carioca.

Diogo: Acho que cheguei em um momento errado, vamos dizer assim. Estava toda aquela polêmica do Bruno, que deu no que deu. Depois o Adriano saiu também. Talvez não era o momento ideal para eu ter ido. Foi um ano complicado não só para mim, mas para o clube inteiro, tanto na parte do futebol, como na parte interna do Flamengo. Então essa passagem não foi muito legal, pelos problemas que tiveram.

JFC: Em 2011 você jogou no Santos, o clube foi campeão da Libertadores, mas você não jogou muito. Como foi sua passagem na equipe santista?

Diogo: No Santos, fiquei chateado pela lesão que tive. Fiz uma sequencia boa no começo do campeonato, depois veio uma lesão séria, parei por três meses e meio. Quebrei um ossinho das costas, acabei me afastando na melhor parte. E a gente tem que ser realista também, depois o time engrenou, foi campeão paulista e da Libertadores. Após isso, voltei para a Grécia e agora retornei a Portuguesa.

JFC: Você não foi inscrito pela A2, jogou duas partidas pela Copa do Brasil, o primeiro no Mato Grosso e depois naquele jogo da eliminação, em que a torcida protestava, mas te apoiavam. Como foi aquele momento?

Diogo: Fiquei muito chateado pela situação. Nós entendemos a torcida naquele jogo, porque não é uma coisa normal, realmente eles tem que protestar. Todo o respeito à equipe do Comercial, que teve os seus méritos, mas a Portuguesa não pode tomar um sete a zero. Isso é ruim pra imagem e até para os torcedores. Eles ficaram bastante magoados naquele jogo. Sou contra a violência, tiveram alguns casos de atacar pedra, eu sou contra também. O protesto é válido, o torcedor paga ingresso e tem o direito de protestar da forma que eles quiserem, mas o caminho da violência sou totalmente contrario.

JFC: Como foi pra você acompanhar o time campeão da A2, de fora?

Diogo: A parte ruim é não poder jogar e ficar só treinando. Muitas vezes, eu treinava pouco, porque o time tinha que treinar para jogar o campeonato. Então ficava ansioso, daquele jeito “Pô, não vou poder treinar, não vou poder jogar”, então essa foi à parte ruim.

Diogo se prepara para atuar pelo Brasileiro (Foto: divulgação/Site oficial)

JFC: Você veio para atuar no Brasileirão. Como está sua preparação para o campeonato?

Diogo: Estou um pouco apreensivo para falar a verdade. Mas isso é bom, porque fiquei tanto tempo treinando e quando chega à semana de poder treinar para jogar falo: “Nossa! Não acredito, passou rápido”, assim entre aspas. Então estou feliz e um pouquinho ansioso, mas quando chegar a hora do jogo, isso passa.

JFC: O que você espera com a sua volta em relação ao clube e a torcida?

Diogo: Espero que seja um ano bom. Você vê que a torcida está um pouco desconfiada com o time, num ano complicado também, porque é um ano de eleição no clube. Então sabemos que sempre é difícil para qualquer clube, mas espero que a possamos superar e fazer um grande campeonato. Temos condições, vou deixar bem claro que temos jogadores experientes. Vamos fazer um bom campeonato.





No Flamengo, sai Dorival e entra Jorginho

18 03 2013

Logo após a demissão de Dorival, o Rubro-negro anunciou Jorginho como novo comandante

Por Camila Andrade

Jorginho como treinador do Kashima Antlers (Foto: Getty Images)

No fim da tarde de sábado, o Flamengo confirmou a demissão do técnico Dorival Junior, por que não aceitou reduzir o salário pela metade. No domingo, o clube anunciou o novo comandante, Jorginho, ex-jogador rubro-negro e ex-auxiliar de Dunga na Copa do Mundo de 2010. Ele assinou contrato até o fim de 2014.

Com o antigo treinador, a comissão técnica passaria a consumir cerca de R$ 1,2 milhão por mês do time da Gávea a partir de maio. Sozinho, ele recebia R$ 680 mil. Agora com a nova contratação, o clube economizará cerca de R$ 1 milhão por mês em sua folha no departamento de futebol, já que o técnico passará ganhar salário em torno de R$ 200 mil.

Revelado como jogador pelo Flamengo em 1984, onde permaneceu até 1989, sendo campeão carioca e brasileiro. Fora do país defendeu o Bayer Leverkusen, e Bayern de Munique, clubes alemães e Kashima Antlers, do Japão. Retornou ao Brasil e teve passagens por São Paulo, Vasco e Fluminense. Ainda como jogador, pela Seleção Brasileira, ganhou títulos na Copa América em 1989 e a Copa do Mundo de 1994, conquistou também a medalha de prata nas Olimpíadas de Seul, em 1988.

Jorginho, com 48 anos, começou como treinador em 2005, no América-RJ e saiu no ano seguinte para se tornar auxiliar técnico de Dunga na Seleção Brasileira para disputar a Copa do Mundo em 2010. Depois da seleção canarinho, o treinador passou por Goiás, Figueirense e venceu a Copa da Liga Japonesa e Copa Suruga Bank, em 2012, pelo Kashima Antlers, no Japão.

Jorginho inicia atividades nesta segunda-feira e estréia no banco de reservas neste sábado (23), diante do Boavista, no Engenhão, pela segunda rodada da Taça Rio, o segundo turno do Carioca.








%d blogueiros gostam disto: