Nadal vence Djokovic e comemora mais uma final de Roland Garros

8 06 2013

Após duelo intenso e com muitos erros não forçados do Sérvio, o espanhol vence a partida e vai para mais uma decisão

Por Victória Rodrigues

https://i0.wp.com/s2.glbimg.com/YAiQCJRlb-YqGbHmgK6dujU8LmI=/620x470/top/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2013/06/07/ten_nadal_reu7.jpg

Rafael Nadal comemora muito a vitória contra Djokovic (Foto: Agência Reuters)

Após 11 partidas sem se encontrar antes de uma final, o espanhol Rafael Nadal venceu o sérvio Novak Djokovic em Roland Garros, nesta sexta-feira (07). Em um duelo marcado pela rivalidade entre os atletas, Nadal segurou a reação do sérvio que chegou a liderar a partida, porém abusou nos erros não forçados e acabou perdendo o jogo.

Com quatro horas e 37 minutos de confronto, o espanhol venceu o jogo por 3 sets a 2, com parciais de 6/4, 4/6, 6/1, 3/7 e 9/7, e conquistou vaga na oitava final dele em Roland Garros.

O sérvio começou a partida pontuando cinco vezes consecutivas, porém acabou cometendo muitos erros não forçados que deram a vitória do espanhol no set. Djokovic até pareceu ter sentido a coxa, no sexto game, quando levou a mão na região após uma jogada. Já no segundo set, Novak se irritou com os próprios erros e empatou a parcial em 3/3, manteve o ritmo conseguindo a vitória depois de ganhar quatro games seguidos. O terceiro set foi péssimo para o sérvio, que além de quase ter tomado um “pneu” (6/0), foi vaiado pelo público após reclamar da mudança de marcação do juiz depois de um desafio de Nadal. O quarto set seguiu disputado até o sexto game, quando foi a vez de Nadal cometer muitos erros não forçados e aumentar a confiança do sérvio no tie-break, conseguindo fechar o set. No último set da partida, Djokovic começou com confiança após a recuperação e saiu na frente. Porém Nadal resolveu arriscar tudo e partiu para cima do sérvio deixando o jogo com a ”cara dele”. No 16º game após mais uma bola fora de Novak Djokovic, Nadal enfim fechou o jogo e garantiu a vaga dele para a final.

https://i2.wp.com/s2.glbimg.com/2e4E_mY5h_GIXF-y-5MkhF6SHMA=/620x390/s.glbimg.com/es/ge/f/original/2013/06/07/ten_djokovic_reu2.jpg

Djokovic comete muitos erros não forçados e perde para o espanhol (Foto:Agência Reuters)

Essa foi a 58ª vitória de Nadal na competição, ele igualou o recorde de Roger Federer, do argentino Guillermo Villas e do italiano Nicola Pietrangeli. Caso vença novamente o Grand Slam francês, o espanhol vai se tornar o maior vencedor de partidas do torneio. Ele ainda pode se tornar o primeiro tenista a ganhar um único Grand Slam oito vezes. A final de Roland Garros será disputada no domingo (09), às 10h, contra o espanhol David Ferrer que venceu o francês Tsonga.

Anúncios




Aldo Rebelo defende patrocínio de empresas estatais e maior participação do governo na gestão do Esporte

28 05 2013
Ministro Aldo Rebelo fala sobre futuro do futebol brasileiro

Ministro Aldo Rebelo fala sobre futuro do futebol brasileiro



Danilo Gonçalo

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, é favorável aos patrocínios de empresas estatais a clubes do Brasil e defende uma maior participação do Governo Federal na gestão das entidades esportivas do País.

Em reunião com um time de 11 jornalistas e blogueiros na segunda-feira (27), o ministro afirmou que o Governo precisa voltar a ter influência políticas nas entidades que comandam o esporte no Brasil.

“Defendo que o Estado tenha poder de impor regras e limites por interesse público e por interesse nacional”, afirmou Aldo. O ministro explicou que a intromissão na gestão é necessária para limitar mandatos de dirigentes e evitar que sejam usados para “projetos pessoais” em detrimento do esporte. “defendo a limitação dos mandatos e a profissionalização da gestão”, disse.

Ministro do Esporte quer evitar que futebol “vire ópera”

Aldo aponta que, como financiador do esporte nacional, o Estado tem o dever de cobrar uma gestão profissionalizada. “Vamos pôr R$ 1 bilhão na preparação de atletas para a Olimpíada do Rio, por que não podemos ter participação [nas decisões]?”

O titular do Ministério do Esporte afirmou ainda que concorda com o patrocínio das estatais a clubes. Palmeirense, deixou a paixão de lado para dizer que os acordos da Caixa Econômica Federal com Corinthians e Flamengo não foi uma decisão governamental, mas “mercadológica”, e descartou ser uma tentativa de o Estado se infiltrar na gestão dos clubes pela porta dos fundos, forçando a profissionalização da gestão.

“Foi uma decisão mercadológica. Dá mais retorno para as empresas que pôr dinheiro na televisão”.

Ex-Santos, André é apresentado pelo Vasco

Apesar da negativa do ministro sobre forçar a profissionalização, o patrocínio das estatais acaba – com ou sem esse objetivo – obrigando os clubes a melhorar sua gestão. Nenhum clube pode receber dinheiro dessas empresas se dever alguns impostos para o Governo, todos precisam apresentar uma CND (Certidão Negativa de Débito) para assinar contrato.

Patrocínio x Retorno

O ministro defendeu de forma ferrenha o patrocínio das estatais aos clubes esportivos e afirmou que o futebol dá mais retorno que aplicar dinheiro em publicidade em jornais, revistas e TV.

Neymar é a segunda contratação mais cara do Barcelona

Aldo acrescentou que o investimento no esporte é muito menor que o volume pago aplicado nos meios de comunicação. “Ninguém torce para um canal de TV”, e a paixão é um bom meio de se explorar para ter retorno, segundo as regras do marketing.





Entrevista com Luciano Luna, atleta de Remo Adaptado, que vai representar o Brasil nas Paraolimpíadas de Londres

17 07 2012

Luciano Luna conta a trajetória nos esportes depois da deficiência e como ficou independente com a pratica desportiva

Por Thalita Tartarelli

Luciano Luna comemora medalha de ouro no remo adaptado (Foto: Divulgação)

Faltam nove dias para começar as Olimpíadas de Londres e 44 dias para começar a Paraolimpíadas. O atleta que vai representar o Brasil na modalidade Remo Adaptável, Luciano Luna, concedeu uma entrevista para o Jornalismo FC e falou como foi sua adaptação após o acidente que o deixou deficiente.

Luciano começou a praticar o Remo em 2008, depois de receber um convite dos responsáveis da AACD. Foi nesse momento que ele iniciou na equipe “Eu Vivo Remando” e no Clube de Regatas do Bandeirantes. Após quatro anos no Desporte Luna, é tricampeão brasileiro, campeão paulista e recentemente campeão mundial.

Confira abaixo o bate-papo com o atleta Luciano:

JFC: Luciano você já nasceu com essa deficiência? Se não, como aconteceu?
Luciano: Não. Chegando do serviço, um rapaz me segurou para não ser baleado e acabei levando um tiro nas costas e fiquei cadeirante em 1995, com dezesseis anos.

JFC: Por quais esporte você passou desde que ficou deficiente? Como foi sua adaptação e sua trajetória em cada um desses esportes?
Luciano: Depois do acidente fiquei oito anos dentro de casa sem fazer nada e só após uma cirurgia comecei a praticar natação, basquete, atletismo e agora remo. Eu já jogava basquete antes de ficar deficiente, então foi um pouco mais fácil. No começo, caía muito com a cadeira mais ficou mais fácil depois dos treinos. Natação eu não competia. Fui tricampeão no dardo, lançamento de disco e peso, mais me adaptei melhor no remo, onde estou até hoje.

JFC: Quando você começou a praticar o Remo?
Luciano: Comecei em 2008 depois de um convite da AACD que trouxe-me para a Raia Olímpica da USP.

JFC: Qual dificuldade você teve quando começou a praticar o remo?
Luciano: A maior dificuldade era o trajeto, pois tinha que ir de ônibus, que não é adaptado, porque mesmo que tenha espaço dentro da condução, os motoristas e cobradores não querem levar. Agora utilizo o projeto do governo “Atende”, e às vezes, vou com meu carro, que é adaptado.

JFC: Quais as melhorias que o esporte trouxe para sua vida?
Luciano: Fiquei totalmente independente depois do esporte. Não saía de casa, só ficava deitado. Depois que comecei a praticar esportes, comecei a sair mais e conquistei minha independência financeira, pois, antes, dependia de minha mãe. Hoje tenho minha casa e faço tudo sozinho, não dependo de ninguém pra fazer nada.

JFC: Quando você tem uma competição importante, como são os treinamentos? Qual a conquista mais importante para você?
Luciano: Tenho o acompanhamento de uma nutricionista, que passa minha dieta de acordo com o treinamento, porque ela muda os horários e alimentação. Além de fazer musculação duas vezes na semana e remo todos os dias de manhã e à noite, com a ajuda do meu treinador Acácio. A conquista mais importante até hoje foi o Campeonato Mundial, na Sérvia, porque me classificou para as paraolimpíadas, e valeram muito a pena todos os esforços e treinos pela manhã e a noite.

JFC: O que você espera das Paraolimpíadas de Londres?
Luciano – Espero fazer uma boa prova e, quem sabe, trazer uma medalha para nosso país.

JFC: Qual o recado que você deixa para as pessoas que estão começando no esporte e tem alguma deficiência?
Luciano: Que nunca desista dos seus objetivos, pois a deficiência não nos impede de correr atrás dos nossos sonhos.





Neymar brilha em treino coletivo da seleção olímpica no Rio

15 07 2012

A provável equipe da estreia nas Olimpíadas fará, na sexta-feira, uma partida amistosa contra a Grã-Bretanha

Por Filipe Barbosa

Mano Menezes comandou, na manhã de hoje, no Forte da Urca, na Zona Sul do Rio, o primeiro coletivo da seleção brasileira olímpica na preparação para os Jogos de Londres, que começam para o Brasil, no próximo dia 26, contra o Egito. O técnico confirmou a equipe, com três atacantes, como já havia esboçado antes.

O time titular da seleção olímpica dominou a maior parte do coletivo, com destaque para Neymar. O atacante do Santos driblou, se movimentou bem, deu ótima assistência para o gol de Hulk e marcou outro na vitória por 4 a 0 sobre os reservas. Oscar e Leandro Damião completaram o placar. Neymar também aplicou uma “lambreta” em Bruno Uvini levando todos ao delírio.

Neymar foi o destaque do coletivo da seleção olímpico no Rio (Foto: Leandro Canônico/ Globoesporte.com)

A provável escalação do Brasil para a estreia em Londres deve ser: Rafael Cabral, Rafael, Juan, Thiago Silva e Marcelo; Sandro, Rômulo e Oscar; Neymar, Hulk e Leandro Damião. O esquema 4-3-3 foi o que consagrou Mano Menezes na vitoriosa passagem pelo Corinthians. A seleção brasileira olímpica viaja amanhã à noite para Londres. Na próxima sexta-feira, o time fará um amistoso contra a Grã-Bretanha.





#GodSavetheFootball: Sem grandes revelações, Inglaterra terá problemas com próximas gerações

5 03 2012

A missão de Rooney, principal jogador do English Team na atualidade, de liderar jovens atletas para títulos importantes pode estar comprometida por falhas passadas

Por Luiz Queiroga

Às vésperas de dois grandes torneios esportivos no meio do ano, as Olímpiadas e Eurocopa, a Inglaterra vive uma série crise quanto ao futebol praticado no país, que é evidenciada pelo mau momento dos seus clubes em torneios europeus, falta de revelações e clima tenso na seleção principal. Dentro e fora de campo, o esporte tem sido atingido por diversos fatos que acabam enfraquecendo a potência na categoria.

Jornalismo FC através do especial #GodSavetheFootball (baseado no canto “God save the Queen),dividido em seis partes, explica o momento conturbado vivido pelos criadores do esporte mais popular do mundo.

Seleção envelhecida e falta de boas revelações minam o caminho para Londres-2012 e Copa-2014

Gerrad lamenta eliminação na Copa de 2010: veterano sabe que o ciclo no English Team está próximo do fim (Foto: Getty Images)

Precisando voltar a conquistar títulos no cenário mundial, a Inglaterra esbarra num difícil processo de renovação que vem desde 2006. Nomes que estiveram na Copa do Mundo de 2002 ainda são chamados com certa frequência atualmente na Seleção, casos de Rio Ferdinand, titular absoluto até as últimas convocações, do atacante Emile Heskey e Wayne Bridge.

Os remanescentes da Copa disputada na Alemanha em 2006 também permaneceram durante um longo tempo nas seguidas chamadas e formaram a base da seleção até o último torneio mundial, disputado na África do Sul. Jogadores consagrados como Frank Lampard, John Terry, Steven Gerrard e Crouch eram os destaques, quando promessas começavam a surgir, casos de Walcott e Lennon.

2010 talvez encerrou o ciclo de diversos nomes conhecidos no English Team em Copas do Mundo, ano no qual David Beckham, astro e ídolo inglês, não teve a oportunidade de entrar em campo por conta de uma lesão, integrando assim a comissão técnica de Fábio Capello no torneio mundial, dando praticamente adeus à sua bela passagem pela seleção.

Hart, promissor mas não unanime: English Team sofre pela falta de investimento na base (Foto: Divulgação/Manchester City)

Este ano também serviu para evidenciar algo que a Federação Inglesa de Futebol, juntamente com os principais clubes do país, nunca se preocupou: investir nas categorias de base. Com o English Team envelhecido, poucas revelações foram lançadas nos recentes anos para integrarem o time. A começar pelo gol, setor que a equipe sofreu muito na última Copa, contou com um frango de Green e apelou para o veterano James, de 41 anos.

Situação explicada pelo fato de nenhum grande do país ter um goleiro prata da casa, fato que deixou de acontecer após o Manchester City apostar no promissor Joe Hart e dispensar o veterano irlandês Given. Hart passou a ser a aposta do English Team, mas o arqueiro ainda não se firmou com grandes atuações, muito menos passa segurança.

O responsável por comandar a nova geração que está sendo formada é Wayne Rooney, principal atleta ligado ao futebol inglês na atualidade. Com 26 anos, o atacante teve a frustração de participar das últimas duas equipes que foram eliminadas nas Copas de 2006 e 2010, tendo sido expulso inclusive na primeira, nas quartas de final, diante de Portugal, quando protagonizou uma entrada violenta no companheiro de Manchester United à época Cristiano Ronaldo. Rooney terá em 2014 novamente a chance de conseguir levar a Inglaterra ao bicampeonato mundial, mas agora sendo o principal destaque da equipe e liderando uma nova leva de jogadores.

Caberá à Rooney guiar os jogadores da próxima geração dentro de campo (Foto: AP)

De olho nas Olímpiadas, o treinador provisório Stuart Pearce convocou jovens atletas para o amistoso com a Holanda no dia 29 de março, quando a Laranja Mecânica ganhou pelo placar de 3 a 2. Precisando de uma equipe para conquistar o título em casa, a FA convocará apenas uma equipe de ingleses no torneio, ao contrário do que aconteceu em edições passadas, quando uma seleção do Reino Unido era escolhida. Garotos promissores, como Phil Jones, Sturridge e Cleverly foram chamados para o jogo, mas, assim como o desempenho deles na Seleção e o peso de darem sequência ao trabalho de uma geração, a incerteza sobre o futuro do futebol na Inglaterra reina.

– Claro que tudo depende do que o técnico decidir se tenho utilidade ou não, mas quero continuar trabalhando pela Inglaterra. São esperadas muitas mudanças daqui para frente – declarou Steven Gerrard após a eliminação para a Alemanha na Copa do Mundo de 2010. Por enquanto, o volante continua defendendo o English Team e tem chances de disputar o Mundial no Brasil.

Especial #GodSavetheFootball:





RECOMEÇO: ANO NOVO, TÍTULOS NOVOS

1 01 2012

 

O ano de 2012 vem repleto de eventos esportivos e para o torcedor, os sonhos começam bem cedo.

 

       

 Por Fábio Marcondes

 

O Ano Novo se inicia hoje e o torcedor já faz as contas de quantas competições o seu time do coração pode disputar e quantos títulos podem ou não conquistar.

Logo de início a Copa São Paulo de Juniores e a Copa Santander Libertadores já dão as caras no calendário e algumas equipes disputarão ambas de forma simultânea casos de Flamengo-RJ e Internacional-RS.

Na seqüência, começam os regionais e mais a frente a Copa do Brasil. No meio desse recheio de emoções os esportes olímpicos pedem passagem e invadem os lares brasileiros direto de Londres. Sendo assim, dividirão espaço com o início do Campeonato Brasileiro e a fase final e mais aguda da Copa Libertadores. Sem contar com a Copa do Brasil de Futebol Feminino e a Copa Sul-Americana. E ao torcedor resta apenas torcer, sonhar, gritar e incentivar seu time na luta por mais e mais títulos, na esperança de que cada um deles seja um sonho realizável. FELIZ 2012 !!!

Que cada torcedor conquiste tudo o que desejar nesse ano que se inicia. E semeie a PAZ por cada canto deste mundo chamado ESPORTE. Foto: (Divulgação - Google)

“ Sonhar mais um sonho impossível
Lutar quando é fácil ceder
Vencer o inimigo invencível
Negar quando a regra é vender

Sofrer a tortura implacável
Romper a incabível prisão
Voar num limite improvável
Tocar o inacessível chão

É minha lei, é minha questão
Virar esse mundo, cravar esse chão
Não me importa saber
Se é terrível demais

Quantas guerras terei que vencer
Por um pouco de paz
E amanhã se esse chão que eu beijei
For meu leito e perdão

Vou saber que valeu
Delirar e morrer de paixão
E assim, seja lá como for
Vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor
Brotar do impossível chão ” 

(Sonho Impossível – Chico Buarque)





Luta de Braço mostra sua força

16 08 2011

Esporte quer ganhar importância em âmbito nacional

Por Isabel Borges

No domingo (14), último dia da Brazil Sports Show, em São Paulo, foi realizado o Desafio PRO FPLB ARM FIGHT que conta  com todos os atletas que se classificaram entre os três primeiros colocados em cada categoria no Campeonato Paulista Interclube de Luta de Braço 2011.

O objetivo foi divulgar o esporte, ainda pouco popular no país, e assim fazer desta modalidade um esporte olímpico e  para-olímpico.

A Rússia ainda é o grande nome quando se trata de Halterofilismo, porém a delegação brasileira já conta com campeões e atletas respeitados no cenário internacional.


Carina de Sá, de apenas 16 anos representou o Brasil no World of Armwrestling 2011, em Las Vegas e ficou em terceiro lugar na categoria em que disputou – Desafio Feminino Braço Direito (até 50kg)- . “Comecei na luta de braço por brincadeira, não sabia que era um esporte. Eu e o Matheus (Oliveira) treinamos na mesma academia. Ele já lutava e me incentivou. Treinamos todos os dias mesa  e musculação.”

Juliana Soares, representante da cidade de Campinas, luta desde 2008 e diz que as mulheres demonstram grande força em  Campeonatos Mundiais. “Geralmente na categoria feminina sempre há representantes no pódio, no mínimo, o terceiro lugar  sempre é garantido” e fala sobre seu ídolo “A Clélia Goulart é um grande exemplo pra mim. Campeã Mundial, há 16 anos  no esporte, ela nos inspira.”








%d blogueiros gostam disto: