Mercado de transferência na Argentina: Disputa pelo título do Torneio Inicial promete ser acirrada

10 09 2013

River Plate e Boca Juniors querem voltar a reinar, entretanto San Lorenzo, Vélez Sarsfield e Newell’s Old Boys aparecem como pedra no sapato dos dois grandes de Buenos Aires. Racing e Lanús brigam por vaga na Libertadores.

Por Michel Corbacho

O Torneio Inicial do Campeonato Argentino demonstra desde o início que será muito disputado, visto que, os grandes clubes se reforçaram para cada qual atingir o seu objetivo na competição. O Vélez Sarsfield, por ser o atual campeão da Superfinal, já garantiu vaga na Libertadores de 2014, assim como o Newell’s Old Boys, que obteve este êxito por conquistar o Torneio Final da temporada 2012/2013. River Plate, Boca Juniors, San Lorenzo, Racing e Lanús disputam as outras três vagas que restam para a principal competição internacional do continente. Garantem vaga o campeão da Copa da Argentina (San Lorenzo é o único grande que está na semifinal), o campeão deste Torneio Inicial e a equipe melhor classificada na Copa Sul-Americana (Lanús e River Plate ainda estão na disputa).

River Plate

River Plate apresenta seus reforços para a próxima temporada (Foto: Olé)

A equipe do River Plate dirigida pelo técnico Ramón Díaz foi ao mercado de passes em busca de jogadores para reforçar o seu elenco. Alguns desejos do treinador foram realizados pelo Presidente Daniel Passarela, que trouxe nomes como os de Jonathan Fabbro, ex-Cerro Porteño(PAR), Teo Gutierrez, Carbonerno, Ferreyra, além da renovação de empréstimo do atacante Rodrigo Mora junto ao Benfica(POR).

Time base: Barovero; Mercado, Maidana, Balanta, Vangioni; Carbonero, Ponzio, Ariel Rojas; Jonathan Fabbro (Lanzini); Rodrigo Mora e Teo Gutierrez.

Técnico: Ramón Díaz

Expectativa para o Torneio Inicial: Título

Boca Juniors

Fernando Gago é o principal reforço do Boca Juniors (Foto: Diario Xeneize)

Para garantir a vaga na próxima Libertadores, o Boca Juniors necessita conquistar o Torneio Inicial 2013 e para alcançar este objetivo, o mandatário ‘xeneize’, Daniel Angelici, contratou peças fundamentais para o elenco de Carlos Bianchi. O volante Fernando Gago, jogador de seleção Argentina e ex-Valencia(ESP), chega para ajudar a Riquelme no meio de campo. Além dele, chegaram para a equipe da Ribeira os atletas Daniel ‘Cata’ Díaz, Emanuel Gigliotti, Franco Cangele e Claudio Riaño. Um defensor, dois atacantes e um meia-atacante para suprir as ausências de Riquelme e/ou Juan Martínez.

Time base: Orion; Marín, Cata Díaz, Burdisso, Insúa; Erbes (Ledesma), Gago, Sanchéz Miño; Riquelme; Martínez e Blandi (Gigliotti).

Técnico: Carlos Bianchi

Expectativa para o Torneio Inicial: Título

San Lorenzo

Cauteruccio, Elizari, Más e Cristian Alvarez, alguns dos reforços do San Lorenzo (Foto: Clarín)

O San Lorenzo de Almagro foi o clube que mais se reforçou para a disputa do Torneio Inicial. As principais contratações foram dos atletas Cauteruccio e Elizari que se destacaram no Quilmes, Emanuel Más e Cristian Alvarez, goleiro ex-Espanyol(ESP). Com isto, a equipe de Boedo se candidata ao título da competição e vaga à próxima Libertadores, visto que, é um dos quatro clubes semifinalista da Copa Argentina, onde o campeão garante vaga na principal competição Sul-Americana.

Time base: Cristian Alvarez; Buffarini, Mauro Cetto, Gentiletti, Emanuel Más; Mercier, Kalinski; Ignacio Piatti (Romagnoli), Gonzalo Verón, Ángel Correa (Alan Ruíz); Cauteruccio.

Técnico: Juan A. Pizzi

Expectativa para o Torneio Inicial: Título

Vélez Sarsfield

Canteros e Zárate, os principais reforços do Vélez Sarsfield para o Torneio Inicial (Foto: Clarín)

O Vélez Sarsfield, atual campeão da Superfinal do Campeonato Argentino, é um dos clubes candidatos ao título do Inicial. A equipe segue dirigida por Ricardo Gareca, porém, perdeu o seu principal goleador para o futebol ucraniano, Facundo Ferreyra transferiu-se para o Shaktar (UCR). Para suprir a ausência de ‘Chucky’ Ferreyra, o Vélez conseguiu a repatriação do atacante Mauro Zárate, que estava na Lazio (ITA). Esta foi a principal contratação do ‘fortín’ para a temporada. Além de Zárate, outro que retornou ao clube de Liniers foi o volante Héctor Canteros, após uma temporada de empréstimo no Villarreal (ESP).

Time base: Sosa; Cubero, Tobio, Sebá Domínguez, Papa; Canteros, Cerro, Cabral; Insúa; Mauro Zárate (Rescaldani) e Pratto.

Técnico: Ricardo Gareca

Expectativa para o Torneio Inicial: Título

Newell’s Old Boys

Trezeguét é o nome para suprir a saída de Scocco no ataque do Newell’s (Foto: Olé)

O Newell’s Old Boys, campeão do último Torneio Final, apresentou o atacante David Trezeguét como o principal reforço para o setor ofensivo da equipe. Com a saída de Ignacio Scocco para o Internacional, os dirigentes dos ‘leprosos’ buscaram um substituto a altura para a equipe. Além de Trezeguét, os rubro-negros de Rosário conseguiram a repatriação do meia Damián Manso, que estava no Deportivo Cuenca (EQU). Apesar das saídas de Scocco e Gerardo Martino, o Newell’s Old Boys segue com a mesma base semifinalista da Libertadores, o que consagra o clube como um dos favoritos à conquista do Torneio Inicial.

Time base: Nahuel Guzmán; Cáceres, Víctor Lopez, Gabriel Heinze, Casco; Pablo Pérez, Diego Mateo, Lucas Bernardi (Cruzado); Maxi Rodríguez, Víctor Figueroa e David Trezeguét (Aquino).

Técnico: Alfredo Berti

Expectativa para o Torneio Inicial: Título

Racing Club

Valentín Viola retorna ao Racing Club (Foto: Canchallena)

O Racing Club de Avellaneda conseguiu a repatriação do atleta Valetín Viola, atacante que estava no Sporting (POR). Além dele, ‘la academia’ contratou Mario Regueiro, ex-Lanús, Rodrigo Bataglia e Nelson Ibañez. Em contra partida, o clube perdeu dois dos seus principais jogadores para o futebol europeu, trata-se do meia-atacante Ricardo Centurión, uma promessa do futebol argentino, que transferiu-se para o Genoa (ITA) e do meia Luis Fariña que reforçou o Benfica (POR).

Time base: Saja; Pillud, Ortíz, Cahais, Corvallán (Ibañez); Villar, Pelletieri, Zuculini; De Paul; Valentín Viola e Luciano Vietto.

Expectativa para o Torneio Inicial: Vaga na Libertadores

Lanús

Santiago Silva e Lautaro Acosta saíram do Boca Juniors para reforçar o Lanús (Foto: Olé)

Outra equipe que a cada temporada realiza boas campanhas é o Lanús. Atualmente dirigido por Guillermo Schelotto, os ‘granates’ buscam vaga na próxima edição da Libertadores, e para isto, reforçaram a equipe com a dupla de ataque que estava na reserva do Boca Juniors. Santiago Silva e Lautaro Acosta chegam para formar o setor ofensivo do Lanús. Além deles, os dirigentes ainda trouxeram o atacante Lucas Melano, ex-Belgrano, o volante Leandro Somoza e os defensores Jorge Ortíz e Matías Martínez.

Time base: Marchesín; Araújo, Paolo Goltz, Izquierdoz, Velázquez; González, Somoza, Barrientos; Ismael Blanco, Lautaro Acosta e Santiago Silva.

Técnico: Guillermo Schelotto

Expectativa para o Torneio Inicial: Vaga na Libertadores





Gago é apresentado como novo reforço do Boca Juniors

1 08 2013

Após sete anos pela Europa e por amor a equipe, o volante retorna ao clube pelo qual foi revelado para o mundo

Por Michel Corbacho

Fernando Gago é apresentando no Boca Juniors (Foto: Reprodução/Diarioxeneize)

Fernando Gago foi apresentado oficialmente como jogador do Boca Juniors nesta terça-feira, e em entrevista coletiva, o volante rasgou elogios ao técnico Carlos Bianchi, ao meia Juan Román Riquelme e demonstrou busca por títulos com a camisa do clube.

O argentino está com 27 anos e já teve passagens por equipes da Europa como Real Madrid, AS Roma e Valencia. No início deste ano ele esteve no futebol argentino, atuou com a camisa do Vélez Sarsfield por empréstimo junto ao Valencia por seis meses. A pedidos do próprio jogador, o Valencia aceitou a negociação com o Boca Juniors, clube pelo qual o volante foi revelado.

A oferta do Boca esteve próxima da casa de dois milhões de euros, por metade do passe do atleta, valor este desejado pelo clube espanhol. Os dirigentes da equipe de Mestalla tenta recuperar o dinheiro que investiu no jogador, cerca de 3,5 milhões de euros. Já o Boca buscou desde o início das negociações a compra por 50% do passe, fizeram duas propostas que foram rejeitadas pelos espanhóis, até que, desta vez, acertaram os valores pela transferência.

Na apresentação, ao lado do presidente Daniel Angelici, Gago concedeu entrevista coletiva. Quando perguntado sobre a posição em que espera atuar com a camisa ‘xeneize’, o volante preferiu deixar a decisão para o treinador.

– Tive o privilégio de ser alçado ao grupo principal por Carlos Bianchi quando tinha 16 anos. É um treinador impressionante, um dos mais vencedores da história. É um prazer ser dirigido por ele. Quem vai tomar a decisão sobre minha posição é ele. Não tenho problemas de atuar em nenhum lugar – comentou.

A questão é pelo fato de que, Fernando Gago pode jogar tanto como primeiro ou segundo volante. Quando esteve no Vélez, o jogador chegou a atuar como um terceiro homem no meio de campo. Além disto, ele elogiou Riquelme e demonstrou ambição por títulos.

– Atuei com Riquelme nas Olimpíadas de 2004. Além disto, fui gandula dele, o via jogar de perto. Vai ser muito lindo jogar ao lado dele com a camisa do Boca, trataremos de conseguir títulos para o clube – Concluiu.

Após sete anos, Gago voltará a jogar no clube do coração

Revelado no Boca Juniors, Gago não esconde a sua paixão pelo clube (Foto: Reprodução/Ole)

O volante é torcedor declarado do Boca Juniors, clube no qual o atleta foi revelado em 2005, e voltará a vestir a camisa “azul e amarela” em 2013. Conquistou cinco títulos com a equipe ‘xeneize’ antes de transferir-se para o Real Madrid no ano de 2006. Chegou ao clube merengue com status de “novo Redondo” e realizou excelentes temporadas em 2007 a 2009. Após a saída de Manuel Pellegrini e a chegada de José Mourinho, Gago foi perdendo espaço entre os titulares do Real, visto que, o técnico português tinha como preferência Xabi Alonso e Sami Khedira.

O jogador argentino foi cedido à AS Roma, e após o término do empréstimo com o clube italiano, o Valencia comprou os direitos federativos do atleta junto ao Real Madrid. No início deste ano, Gago foi emprestado ao Vélez Sarsfield, porém sofreu com muitas lesões que o deixou afastado dos gramados. Em Julho, ele retornou à Espanha para apresentar-se ao Valencia, entretanto, segundo o próprio empresário e algumas notícias dos jornais espanhóis, Fernando Gago tinha um grande desejo de retornar ao Boca Juniors.

Com o acordo entre o atleta e o clube argentino, aumentam as esperanças da torcida para que o Boca realize uma boa campanha no próximo Torneio Inicial do Campeonato Argentino. Ídolo dos xeneizes, Gago terá a oportunidade novamente de atuar com Riquelme. A expectativa de Bianchi e dos dirigentes do clube, é que esta dupla consiga trazer novos títulos para o museu do Boca Juniors.





Boca Juniors ressuscita lenda e lança os seus novos uniformes

28 07 2013

Camisa rosa será o segundo uniforme dos argentinos para a próxima temporada

Por Gustavo Soler

https://i0.wp.com/www.gazetaesportiva.net/blogs/mauricio-rito/files/2013/07/camisa_boca-jr_2013.jpg

Com destaque para Riquelme, Boca Juniors apresentou seus novos uniformes (Foto: Divulgação)

O Boca Juniors apresentou os seus novos uniformes para a temporada 2013/14. O uniforme 1 permanece com as suas cores e formatos tradicionais, o destaque ficou com a segunda camisa, que será da cor rosa, por conta de uma lenda.

https://i1.wp.com/www.guiadoboleiro.com.br/upload/imagem/24072013111741547936.jpg

A tradicional camisa azul (Foto: Divulgação)

Com a escrita “La mitad más uno” (A metade mais um), por dentro da camiseta, o Boca Juniors se referiu ao tamanho da sua torcida, que dentro da Argentina soma-se metade da população e pelo mundo têm o mesmo número de habitantes que o seu país.

https://i1.wp.com/www.guiadoboleiro.com.br/upload/imagem/24072013111741212957.jpg

Camisa rosa é destaque na apresentação dos novos uniformes do Boca (Foto: Divulgação)

Sobre a camisa rosa, há um mito na Argentina que o Boca usou diversas cores de camisa ao longo da sua história, dentre elas, um uniforme rosa foi utilizado, porém, não existe um registro fotográfico do momento, mas o clube resolveu ressuscitar esse mito.





Um argentino garantido: Newell’s e Boca decidem vaga para a semifinal

29 05 2013

Rivais argentinos se enfrentam por uma vaga na próxima fase da Libertadores

Por Michel Corbacho

No confronto de volta pelas quartas de final da Copa Libertadores, Newell’s Old Boys e Boca Juniors se enfrentarão novamente pela terceira vez consecutiva em apenas uma semana. A primeira partida entre as equipes, nesta sequência, foi na última quinta-feira (23), quando empataram por 0 a 0 na Bombonera. No domingo (26), Newell’s e Boca jogaram em Rosário, partida válida pelo Campeonato Argentino, com equipes ‘mistas’, e os rosarinos aplicaram uma sonora goleada por 4 a 0 diante dos xeneizes. Nesta quarta-feira (29), as equipes se enfrentarão em busca de uma vaga na semifinal da Competição Internacional.

No confronto de volta, pelas quartas de final da Copa Libertadores, Newell’s Old Boys e Boca Juniors se enfrentarão novamente pela terceira vez consecutiva em apenas uma semana. A primeira partida entre as equipes, nesta sequência, foi na última quinta-feira (23), quando empataram por 0 a 0, na Bombonera. No domingo (26), Newell’s e Boca jogaram em Rosário, na partida válida pelo Campeonato Argentino, com equipes ‘mistas’, e os rosarinos aplicaram uma sonora goleada por 4 a 0 diante dos xeneizes. Nesta quarta-feira (29), eles se enfrentarão em busca de uma vaga na semifinal da competição internacional.

Com estilos distintos de comando, Bianchi ou Martino, quem levará a melhor? Foto: (Reprodução/Radio Punto Cero – ARG)

 

Gerardo Martino repete a equipe titular para avançar de fase

Para este duelo com o Boca, o técnico Gerardo Martino trata como uma final antecipada e poderá contar com todos os titulares da equipe. O empate da primeira partida foi considerado pelos jogadores dos leprosos um bom resultado, porém terá que vencer em casa, sabendo que um empate com gols classifica o Boca Juniors e um novo empate sem gols levará a decisão para os pênaltis. O Newell’s atuará em um 4-3-3 com dois volantes que saem com qualidade para o setor ofensivo, Pérez e Cruzado, além de dois homens que jogam pelos lados do campo, Maxi Rodríguez e Figueroa. A equipe de Rosário ainda conta com o artilheiro do futebol argentino na temporada, o atacante Ignacio Scocco, que completa 28 anos neste exato dia de decisão. Assim, o Newell’s Old Boys deverá ir a campo com Guzmán; Cáceres, Vergini, Heinze, Casco; Pablo Pérez, Mateo, Cruzado (Bernardi); Maxi Rodríguez, Figueroa e Scocco.

Bianchi altera tática e a sua equipe jogará com apenas um atacante

O técnico Carlos Bianchi, mudará a formação para o próximo confronto com o Newell’s em Rosário. Voltará a utilizar a formação tática que empatou diante do Corinthians nas oitavas, um 4-4-1-1, com apenas um único atacante, Burrito Martínez ou Nicolás Blandi. Este último segue com um dedo do pé direito fraturado, porém deverá passar por algumas infiltrações e estar em campo como titular. Bianchi não poderá contar com Guillermo Burdisso, expulso na partida da Bombonera, e em seu lugar jogará Chiqui Pérez, que formará dupla de defesa com Caruzzo.  Assim, os prováveis titulares do Boca serão Orion; Marín, Caruzzo, Pérez, Clemente Rodríguez; Erbes, Somoza, Erviti, Sanchéz Miño; Riquelme; Blandi (Martínez). Com esta formação, a equipe terá os lados do campo com muita força, tanto no setor ofensivo como no defensivo, visto que, Erbes e Miño são os volantes que atuam pelos flancos e possuem qualidades técnicas para criar jogadas no ataque, além da boa recomposição ajudando os laterais na marcação. Riquelme terá a função de comandar o ritmo de jogo da equipe, e mais à frente Nicolás Blandi, que será de fato, o único atacante do Boca Juniors.

Riquelme ou Scocco, quem será mais decisivo?

Na partida da Bombonera, Riquelme e Scocco não atuaram bem, tiveram poucas oportunidades para definir a partida em favor das suas equipes, porém continuam sendo os principais jogadores de cada uma delas. A torcida do Boca deposita todas suas fichas no seu ‘camisa 10′, que além da sua qualidade técnica, conhece bem a competição a qual já conquistou por três oportunidades. Riquelme se demonstra bem fisicamente e com confiança para vencer a partida e garantir vaga na próxima fase da Libertadores. O ‘eterno dez’, como  conhecido pela torcida, é o maior artilheiro do Boca na história da competição com 24 gols marcados.

Riquelme e Scocco são as esperanças das equipes. Foto: (Reprodução/AFP)Se o Boca tem Riquelme, o 

Se o Boca tem Riquelme, o Newell’s conta com Ignacio Scocco, atacante que completa 28 anos exatamente neste dia, artilheiro do futebol argentino nesta temporada. Scocco sonha que o seu maior presente seja a classificação para a semifinal, de preferência, ele balançando as redes como fez por 28 vezes na temporada. ‘Nacho’ Scocco, como é chamado pelos ‘leprosos’, é o artilheiro do Newell’s Old Boys na competição sul-americana e principal esperança de gols da equipe rosarina.

 





Tradição x Atualidade: Boca e Newell’s se enfrentam na Bombonera

22 05 2013

Argentinos se enfrentam na primeira partida das oitavas, da Libertadores

Por Michel Corbacho

Em mais um confronto entre argentinos na Copa Libertadores, Boca Juniors e Newell’s Old Boys se enfrentarão em busca de uma vaga nas semifinais. Como o Newell’s fez uma melhor campanha na fase de grupos terá o direito de decidir o confronto em seus domínios, logo, a primeira partida entre as equipes será realizada nessa quinta-feira (23), às 21h30, no estádio da Bombonera.

Boca Juniors x Newell’s Old Boys – Quem levará a melhor no primeiro confronto das Quartas-de-finais?

A caminhada das equipes até o momento

O Boca Juniors estreou mal na competição, a equipe perdeu na Bombonera para o Toluca do México por 2 a 1. Os argentinos sairam na frente com gol de Santiago Silva cobrando pênalti, porém, permitiu a virada mexicana na segunda etapa. Na segunda rodada, os xeneizes viajaram até o Guayaquil para enfrentar o Barcelona, e conquistou uma importante vitória por 2 a 1 com gols marcados por Juan Manuel Martínez e Cláudio Pérez. Seguindo na competição, voltou a perder dentro da Bombonera desta vez para o Nacional (URU) por 1 a 0. Quando muitos davam o Boca por eliminado, os xeneizes devolveram o placar no Nacional, atuando fora de casa, gol marcado por Riquelme, e venceu o Barcelona pelo mesmo score, em casa, garantindo a classificação para as oitavas. Na última rodada do grupo, caiu diante do Toluca, no México, por 3 a 2. Nas oitavas, enfrentou o Corinthians, em um duelo com caráter de ‘revanche’ para os argentinos. Venceu na Bombonera por 1 a0, gol marcado por Blandi, e em São Paulo, garantiu classificação para as quartas-de-finais, graças a um belíssimo gol marcado por Riquelme, empatando em 1 a 1.

Ao contrário do Boca, o Newell’s Old Boys começou muito bem a Libertadores, vencendo o Olímpia (PAR) por 3 a 1 em Rosário, com direito a um golaço de Ignacio Scocco. Duas derrotas seguidas poderiam complicar suas ambições em passar para a próxima fase. Caiu diante do Deportivo Lara, por 2 a 1, e da La U, por 1 a0. Porém, os ‘leprosos’ conseguiram a recuperação batendo a La U por 2 a 0, no Chile, e em Rosário, venceu o Deportivo Lara por 3 a 1, destaque para mais um golaço marcado por Scocco. Na última rodada do grupo, o Newell’s perdeu de 4 a 1 para o Olímpia no Defensores Del Chaco. Nas oitavas um duelo argentino, Newell’s enfrentou o Vélez e perdeu a primeira partida em seus domínios por 1 a 0. Entretanto, novamente a equipe demonstrou poder de recuperação e garantiu classificação para as quartas vencendo o Vélez, no José Amalfitani, por 2 a 1.

Bianchi voltará a atuar com dois atacantes, Martínez ficará com a vaga

O técnico Carlos Bianchi tem algumas dúvidas para montar a equipe para enfrentar o Newell’s. O volante Erviti e o atacante Blandi sofrem com lesões e poderão ficar de fora dessa primeira partida. Nicolás Blandi sofreu uma fratura no dedo do pé direito e vai passar por infiltrações para tentar jogar. Caso os jogadores não possam atuar, Sanchéz Miño e Lucas Viatri deverão ser os seus substitutos, respectivamente. Outra dúvida que o comandante do Boca tem, é referente à formação tática da equipe. Nos confrontos com o Corinthians, o Boca atuou no ‘4-4-1-1’, ocupando bem os lados do campo, setor por onde a equipe paulista era muito forte ofensivamente. Entretanto, para essa partida contra o Newell’s, Bianchi deve voltar com o tradicional ‘4-3-1-2’, com três volantes, Riquelme de “enganche” (meia de ligação), e dois homens no setor de ataque. A provável equipe do Boca Juniors para a partida: Orion; Marín, Caruzzo, Burdisso, Clemente Rodríguez; Erbes, Somoza, Erviti (Sanchéz Miño); Riquelme; Martínez e Blandi (Viatri).

Martínez treina bem e deverá recuperar vaga na equipe titular do Boca. Foto/Reprodução: DiarioOlé

‘Tata’ Martino define a equipe para enfrentar o Boca

Pelo lado do Newell’s Old Boys, o técnico Gerardo Martino não terá muitos desfalques para a partida. Apenas Hernán Villalba que se recupera de lesão estará de fora do duelo com o Boca. A equipe de Rosário passou pelo Vélez Sarsfield nas oitavas-de-finais após perder em casa por 1 a 0, e conseguir a recuperação em Liniers onde venceu por 2 a 1. O comandante ‘Tata’ Martino vai com o que tem de melhor à Bombonera, indicando que deverá escalar os mesmos titulares que venceu o Vélez. Atuando em um ‘4-3-3’ com dois volantes que saem com qualidade para o setor ofensivo, Pérez e Cruzado, além de dois homens que jogam pelos lados do campo, Maxi Rodríguez e Figueroa, o Newell’s ainda conta com o artilheiro do futebol argentino na temporada, o atacante Ignacio Scocco. Assim, o Newell’s Old Boys deverá ir a campo com Guzmán; Cáceres, Vergini, Heinze, Casco; Pablo Pérez, Mateo, Cruzado (Bernardi); Maxi Rodríguez, Figueroa e Scocco.

Gerardo Martino conversa com Maxi Rodríguez em treino do Newell’s. Foto/Reprodução: DiarioOlé

Riquelme ou Scocco, quem será mais decisivo na partida?

A torcida do Boca deposita todas suas fichas no seu ‘camisa 10’. Juan Román Riquelme está totalmente recuperado de lesão e treinou normalmente durante a semana para o confronto com o Newell’s. As equipes se enfrentarão por três vezes consecutivas, duas pela Libertadores e uma pelo Campeonato Argentino, mas Bianchi já definiu que o seu capitão Riquelme jogará apenas as partidas da Copa Libertadores. O ‘eterno dez’, como é conhecido pela torcida, tornou-se o maior artilheiro do Boca na história da Libertadores com 24 gols marcados.

Riquelme e Scocco, os principais jogadores de cada equipe. Foto/Reprodução: AFP

Se o Boca tem Riquelme, o Newell’s conta com Ignacio Scocco, atacante de 27 anos, o artilheiro do futebol argentino nesta temporada. Scocco foi o máximo goleador do Torneio Inicial com 13 gols marcados. Atualmente, aparece na liderança da artilharia do Torneio Final com 10 gols, além disso, é o goleador do Newell’s na competição Sul-Americana com cinco tentos marcados. ‘Nacho’, como é conhecido, é a principal esperança de gols dos rosarinos.





Superclássico: Boca e River se enfrentam pelo Campeonato Argentino

4 05 2013

Confronto entre Boca e River marca o reencontro de Bianchi e Ramón Díaz

Por Michel Corbacho

O Superclássico da Argentina, confronto entre Boca Juniors e River Plate, terá mais uma edição neste domingo (5), às 16h30, na Bombonera. A partida é válida pela 12ª rodada do Torneio Final, onde o Boca busca a reabilitação, já que, está atualmente na 18ª posição com apenas nove pontos conquistados. Enquanto que o River luta pelo título do Torneio, é o terceiro colocado com 21 pontos, quatro a menos que o líder Newell’s Old Boys. Na rodada passada o Boca Juniors foi até La Plata enfrentar o Estudiantes e saiu derrotado pelos ‘pinchas’, 1 a 0. O River Plate enfrentou o Quilmes no Monumental de Nuñez e não passou de um empate por 1 a 1 com os ‘cerveceros’.

Para este superclássico, o técnico do Boca Juniors, Carlos Bianchi, não contará com alguns jogadores considerados titulares do elenco. Caruzzo e Somoza estão com alto desgaste físico, enquanto que Clemente Rodríguez e Román Riquelme se recuperam de lesão. Além destes, o comandante xeneize preservará Cristian Erbes, Juan Martínez e Nicolas Blandi, visando o confronto de volta com o Corinthians pela Copa Libertadores.

O River Plate, de Ramón Díaz, vai a campo praticamente com força máxima. O treinador dos millonarios, não contará apenas com Germán Pezzella e Ariel Rojas, ambos lesionados, e David Trezeguét, que não foi relacionado para a partida por opção técnica. Com isso, o treinador e o presidente do River, Daniel Passarella, não pensar em outro resultado a não ser a vitória, na Bombonera.

0071_15.jpg

Bianchi x Díaz, quem levará a melhor? (Foto: DiarioOlé)

Outro fator que chama atenção para a partida são os técnicos das equipes. Ambos são considerados ídolos por suas torcidas, e depois de onze anos eles voltam a se encontrar em uma partida oficial pelo Campeonato Argentino. A última vez em que eles se encararam, foi pelo Apertura de 2001, no Monumental de Nuñez, e a partida terminou empatada em 1 a 1. No total, contando a época que Bianchi foi treinador do Vélez Sarsfield, eles se enfrentaram em 15 oportunidades, sendo seis vitórias de Bianchi, cinco empates e quatro vitórias de Ramón Díaz. O próximo capítulo já tem dia e local marcado.

As equipes já estão definidas para o confronto pelos seus respectivos comandantes. O Boca Juniors vai a campo no “4-4-2” convencional com Orión; Marín, Magallán, Burdisso, Zárate; Ledesma, Bravo, Erviti, Sanchéz Miño; Acosta e Silva. Sendo assim, apenas cinco jogadores que enfrentaram o Corinthians, também como titulares, entrarão em campo amanhã. O River Plate, dirigido por Díaz, busca uma vitória para permanecer vivo na luta pelo título do Torneio. Os millos vão para o jogo com Barovero; Mercado, González Pírez, Balanta, Vangioni; Ponzio, Ledesma, Sanchéz; Lanzini; Iturbe e Funes Mori. Atuando em um “4-3-1-2”, Ramón optou por Manuel Lanzini de ‘enganche’, ex-jogador do Fluminense, o meia que terá a função de criar as jogadas ofensivas da equipe. No ataque, Juan Manuel Iturbe venceu a disputa da titularidade com Carlos Luna, muito em função de ser um jogador mais veloz e habilidoso, e formará dupla ofensiva com Funes Mori.

Sempre há uma primeira vez para todos de jogar um Superclássico, seja jogadores jovens ou com alguma experiência. Nesta edição de ‘Boca-River’, vários jogadores farão suas primeiras partidas oficiais diante do maior rival. Com a camisa do Boca Juniors os laterais Leandro Marín e Nahuel Zárate, além do volante Federico Bravo debutarão em um Superclássico. No River Plate, os defensores Balanta e Vangioni e o atacante Iturbe. Será uma partida onde as equipes não terão muitos referentes dentro de campo. Podemos citar pelo lado do River, Leo Ponzio e Juan Iturbe como jogadores que podem definir a partida em favor da sua equipe. No Boca, as esperanças estão depositadas em Sanchéz Miño e Lautaro Acosta.

Acosta e Ponzio, jogadores que podem decidir a partida em favor dos seus respectivos clubes. (Foto: DiarioOlé)

O histórico de confrontos entre as equipes é bastante equilibrado e não poderia ser diferente quando se trata de um clássico. As duas equipes já se enfrentaram em 189 oportunidades pela primeira divisão do futebol argentino. O Boca leva pequena vantagem com 69 vitórias contra 62 do River. Em 58 vezes as equipes não passaram de um empate. Os xeneizes marcaram 261 gols enquanto os millonários converteram 248. No último confronto, as equipes se enfrentaram no Monumental de Nuñez e a partida terminou empatada em 2 a 2. O River colocou dois gols de vantagem com Ponzio e Mora, porém o Boca foi buscar o empate com Silva e Erviti, no último minuto do jogo. E nesse domingo, em quem você aposta para vencer o Superclássico?





“Mordido” com o confronto do ano passado, Boca Juniors vence Corinthians na La Bombonera

2 05 2013

Há quase um mês sem vencer, Boca Juniors bate o Corinthians e abre uma boa vantagem para o jogo da volta

Por Gustavo Soler

Jogadores do Boca comemoram o gol marcado por Blandi (Foto AFP)

 

Nesta quarta-feira (1º), Boca Juniors e Corinthians se reencontram após a final da Libertadores do ano passado. O time argentino tinha o desfalque de Riquelme e com um retrospecto terrível, desde o dia 4 de Abril o time não vencia nenhum jogo, sendo dez jogos sem vencer no Campeonato Argentino, uma delas por 6 a 1 contra o pequeno San Martin. Mas os Xeneizes contavam o caldeirão de La Bombonera, que estava lotada, para sair vitorioso do confronto. Já o alvinegro queria mais uma vez fazer história no mitológico estádio dos rivais, e contavam com Romarinho, Emerson e Cassio, heróis dos confrontos na última temporada.

O Boca começou o jogo tomando as primeiras ações ofensivas. Após cruzamento para dentro da área, Gil afastou e na sobra, Blandi acabou atingindo por acidente o nariz do árbitro Enrique Osses, que teve de receber atendimento médico. Aos nove minutos, Erviti recebeu na ponta direita, totalmente impedido, mas o bandeira não assinalou. O camisa 11 saiu da marcação de Fabio Santos e bateu firme de perna esquerda. A bola acabou saindo, mas assustou o goleiro Cássio. O primeiro lance de perigo do Timão veio com Emerson Sheik. Após uma boa jogada individual de Paulinho, o volante cruzou, a redonda passou por todo mundo e chegou no camisa 11, no entanto, a finalização passou sobre o gol de Orion.

Depois dos 15 minutos, o Corinthians conseguiu equilibrar o jogo. Em um contra-ataque puxado por Guerreiro, o peruano tentou cavar uma falta, mas o árbitro mandou seguir. Na sequencia do lance Emerson bateu boca Somoza e o seu principal atrito do último confronto: Caruzzo. Danilo tentou um chute colocado, mas mandou a bola no colo de Orion. Aos 20 min, Sanchez Miño fez uma boa jogada pela esquerda, porém, na hora do chute, o camisa 30 acabou furando de forma bizarra.

Em outra boa jogada de Paulinho, o camisa 8 achou Danilo, que bateu firme, mas mandou pra fora. O Boca quase chegou ao primeiro gol com o atacante Blandi. Após um passe primoroso de cavadinha de Erbes, Martinez ajeitou de cabeça para o camisa 25, porém, o goleiro alvinegro foi muito bem na leitura da jogada e evitou a assistência do seu ex-companheiro. Aos 35 minutos, Erviti cobrou escanteio e Guilhermo Burdisso subiu mais que a defesa do Corinthians, no entanto, o cabeceio passou sobre o gol de Cassio. Com 38, Emerson se livrou de Marin, que apelou e fez a falta. Na cobrança, Romarinho mandou na primeira trave e Caruzzo quase marcou o gol contra. No lance seguinte, Orion ficou com a bola e Guerreiro trombou nele, na sequencia, o arqueiro argentino trombou duas vezes com Paulo André, que foi empurrado por Burdisso e Somoza, mas o chileno Enrique Osses deu cartão para o zagueiro corintiano. Aos 42, Erviti cobrou mais um escanteio e desta vez Blandi quem subiu e assustou a meta de Cassio.

O segundo tempo começou com o mesmo desenho da etapa inicial, com o Boca buscando o ataque no começo. Logo com três minutos, Blandi sofre falta. Na cobrança, a bola foi ajeitada para Sanchez Miño, que saiu com perigo. Danilo, que havia sentido uma dor na panturrilha no final do primeiro tempo, não conseguiu seguir em campo e foi substituído. Aos dez minutos, Martinez se jogou na entrada da área e o árbitro foi na dele assinalando a falta do zagueiro Gil. Em um inicio de confusão, Guerreiro e Burdisso foram advertidos com cartão amarelo. Aos 13 min, Rodriguez tabelou com Sanchez Miño, Alessandro afastou parcialmente. A redonda se ofereceu para Erbes, que chutou errada na bola, no entanto, a jogada foi parar em Blandi em posição legal e livre de marcação para abrir o placar em La Bombonera. Com 18, Alessandro cruzou, Burdisso afastou e no rebote, Romarinho bateu de voleio, obrigando Orion a fazer um milagre.

Blandi comemora o gol marcado contra o Corinthians (Foto: AFP)

O Timão quase chegou ao empate com Guerreiro. O camisa 9 recebeu de Romarinho, ajeitou e bateu com extrema categoria, no entanto, a bola caprichosamente bateu na trave. No rebote, Paulinho pegou mal e isolou a chance do empate. Aos 28 minutos, Alessandro dormiu no lance e Sanchez Miño apareceu nas costas do lateral, para cruzar na segunda trave. A jogada chegou em Ledesma, que cabeceou para a defesa de Cassio. O arqueiro corintiano, que vinha passando segurança ao time acabou fazendo uma senhora trapalhada: saiu da área com a bola na mão e Enrique Osses marcou a falta. Na cobrança: Sanchez Miño arrumou para Ledesma, que bateu com a direita, levando muito perigo.

https://i1.wp.com/infograficos.estadao.com.br/uploads/galerias/6516/66708.JPG

Do camarote Riquelme acompanhou a vitória Xeneize (Foto: AFP)

O próprio Ledesma foi protagonista de dois lances em sequencia, que resultaram na sua expulsão. Aos 36 minutos, Sanchez Miño bateu cruzado, a bola atravessou toda extensão da área e se ofereceu para o camisa 8 empurrar para o gol. Mas o bandeira assinalou o impedimento, no entanto o meia não percebeu e saiu comemorando, tirou a camisa, fez a maior festa com a torcida. O árbitro chileno anulou o gol e deu o cartão amarelo para o jogador do Boca. No minuto seguinte, o Ledesma deu uma entrada violenta em Ralf e foi expulso de campo. Com inúmeros erros ofensivos e de posicionamento, o Corinthians não conseguiu chegar ao empate. Já o Boca, depois de quase um mês voltou a encontrar o caminho da vitória.

FICHA TÉCNICA:

BOCA JUNIORS 1 X 0 CORINTHIANS

Local: Bombonera, Buenos Aires (ARG)
Data/Hora: 1/5/2013 – 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Enrique Osses (CHI)
Assistentes: Carlos Astroza (CHI) e Sergio Roman (CHI)

Renda/Público: Não disponíveis
Cartões Amarelos: Marín, Burdisso, Erbes, Somoza e Erviti (BOC); Paulo André, Guerrero e Emerson.
Cartões Vermelhos: Ledesma, aos 39’/2ºT (BOC)
GOL: Blandi, aos 13’/2ºT (1-0)

BOCA JUNIORS: Orión; Marín, Caruzzo, Burdisso y Clemente; Erbes (Bravo, 21’/2ºT), Somoza, Erviti (Ledesma, 18’/2ºT), Sánchez Miño; Blandi (Magallán, 43’/2ºT) e Martínez. Técnico: Carlos Blanchi.

CORINTHIANS: Cássio, Alessandro, Gil, Paulo André e Fábio Santos; Ralf (Douglas, 43’/2ºT) e Paulinho; Danilo (Jorge Henrique, 6’/2ºT), Romarinho (Pato, 28’/2ºT) e Emerson Sheik; Guerrero. Técnico: Tite.








%d blogueiros gostam disto: