Jeitinho “rossonero”

3 09 2013

Milan aposta em contratação a baixo custo de jogadores que já valeram muito

 

Por Matheus de Andrade

Quando Kaká foi comprado pelo Milan, por 8,5 milhões de euros (21,25 milhões de reais), o valor foi considerado extremamente baixo pelos torcedores são paulinos, e pela imprensa brasileira. Até o presidente do “rossonero” considerou a contratação como barata, dizendo que Kaká foi levado por “preço de banana”.

 Kaká, de volta ao Milan, será mais um bom negócio do clube de Milão?  (Foto: AP)

Kaká, de volta ao Milan, será mais um bom negócio do clube de Milão? (Foto: AP)

Dentro de campo, o brasileiro correspondeu. Foi o grande destaque do Milan na conquista da Champions League de 2007, sendo eleito o melhor jogador do mundo naquele ano. Kaká virou ídolo na Itália e, em 2009, o Real Madrid resolveu levar o jogador para a Espanha, em uma transferência de cerca de 69 milhões de euros (172,5 milhões de reais), quase oito vezes o que o clube de Milão pagou ao São Paulo pelo jogador.

O que era a quarta maior contratação da história do futebol, até então, se tornou uma das maiores decepções do esporte. Kaká não conseguiu se firmar no clube madrileno por várias razões, como as constantes lesões e as desavenças com o técnico José Mourinho, até o Milan levar o jogador de volta para o futebol italiano, no último dia da janela de transferências no país. O brasileiro foi sem custos ao clube de Milão, e ainda aceitou uma redução salarial para se juntar ao “rossonero”.

Mas este não foi o primeiro negócio do clube italiano envolvendo a contratação de jogadores desvalorizados em outros clubes. Robinho foi para o Manchester City, após uma passagem conturbada pelo Real Madrid. O clube inglês pagou algo em torno de 40 milhões de euros (quase 100 milhões de reais). Após insucesso em Manchester, o Milan levou o brasileiro para a Itália por 18 milhões de euros (45 milhões de reais).

Ibrahimovic é mais um caso. Em 2009, o Barcelona pagou cerca de 68 milhões de euros (170 milhões de reais), mais Samuel Eto’o, pelo sueco. Com problemas no clube catalão, o Milan pegou o jogador por empréstimo e, depois de uma boa temporada, contratou o sueco por definitivo por 24 milhões de euros (cerca de 60 milhões de reais).

Atuais destaques do “rossonero”, Balotelli e Montolivo também podem ser enquadrados neste perfil. O primeiro, com a forte concorrência no City, foi para o clube italiano, onde foi fundamental na conquista da vaga na Champions League desta temporada; Montolivo chegou sem custos ao Milan, e virou peça importante na equipe.

Balotelli, exemplo de negócio a baixo custo que deu certo em Milão.  (Foto:Valerio Pennicino/Getty Images)

Balotelli, exemplo de negócio a baixo custo que deu certo em Milão. (Foto:Valerio Pennicino/Getty Images)

Nem sempre dá certo

Até agora foram citados exemplos de contratações que deram certo, mas evidentemente, algumas não foram tão bem no clube italiano. Rivaldo representa esta situação: no Barcelona, o jogador chegou a ser eleito melhor do mundo, no entanto, em 2002, rompeu com o clube catalão e foi sem custos para o “rossonero”. Sem sucesso na Itália, o jogador foi para o Cruzeiro em 2004.

Ídolo do Milan, Shevchenko fechou em 2006 sua contratação junto ao Chelsea, por 30 milhões de libras (cerca de 90 milhões de reais). O jogador oscilou muito no clube inglês, mas nunca se firmou em Londres. Em 2009, o “rossonero” acertou o empréstimo do ucraniano, que ficou muito longe das atuações que o consagraram em Milão, retornando ao Chelsea no ano seguinte, situação bem semelhante a encontrada pelo argentino Crespo, contratado pelo Chelsea, junto ao Parma, em 2003, por 28 milhões de euros (70 milhões de reais), o jogador foi por empréstimo para o Milan no ano seguinte, onde não se firmou.

Shevchenko na segunda passagem pelo Milan, custo inversamente proporcional a decepção.   (Foto:Reuters)

Shevchenko na segunda passagem pelo Milan, custo inversamente proporcional a decepção. (Foto:Reuters)

Exemplos para Kaká não faltam e o brasileiro terá nesta temporada a oportunidade de se tornar mais um da leva dos bons negócios do Milan. A missão é difícil: na Champions League, o grupo da equipe conta com mais três campeões continentais: Barcelona, Ajax e Celtic. Só o tempo dirá se o brasileiro foi mais uma vez contratado a “preço de banana”, ou se desta vez o Milan fez um “negócio da China”.

Bons negócios -os que deram certo – com o jeitinho italiano:

Ibrahimovic (2010-2012) comprado por 60 milhões de reais: Sem ser unanimidade no Barcelona de estrelas como Messi e Iniesta, o sueco voltou para a Itália, país onde já havia jogado por Juventus e Inter. Foi muito bem no “rossonero”, e acabou sendo negociado com o PSG.

Montolivo (2012-?) sem custos: Meia com várias passagens pela seleção italiana, inclusive disputando a Copa do Mundo de 2010, deixou a Fiorentina após oito temporadas para assinar com o Milan, sendo peça importante da equipe.

Balotelli (2013-?) por empréstimo: Torcedor “rossonero” declarado, desde que atuava pela Inter, o jogador foi para Milão após ficar sem espaço no Manchester City e foi fundamental ao Milan na última temporada.

Robinho (2010-?) 45 milhões de reais: Sem muito sucesso e acumulando polêmicas no Real Madrid e no Manchester City, Robinho foi para o Milan por um valor bem abaixo do que seus antigos clubes pagaram para contar com seu futebol. Alterna altos e baixos no clube italiano, mas já é o time europeu que o brasileiro ficou mais tempo.

Sem tanto sucesso:

Rivaldo (2002-2004) sem custos: O pentacampeão foi com muitas expectativas para Milão, principalmente após a Copa do Mundo de 2002, no entanto o jogador não se encontrou na Itália e foi para o Cruzeiro em 2004.

Crespo (2004-2005) por empréstimo: Sem corresponder às altas expectativas no Chelsea, o jogador foi emprestado ao Milan, clube no qual ficou apenas uma temporada,e decepcionou depois disso. O argentino nunca mais repetiu as boas atuações de quando jogava pelo Parma.

Shevchenko (2008-2009) por empréstimo: Um dos maiores ídolos da história do Milan, o jogador foi cedido pelo Chelsea, mas as atuações ficaram muito longe das sete temporadas que marcaram o jogador no “rossonero” ,retornando para a Inglaterra na temporada seguinte.

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: