A queda do futebol do Pará

12 08 2013

Grandes do estado se afundam em dez anos; torcida é fundamental aos clubes

 

Por Matheus de Andrade

Há dez anos, o futebol paraense viveu um de seus melhores momentos. Na Libertadores, o Paysandu conquistou uma vitória na temida La Bombonera, fato que é considerado por muitos o principal feito do clube, já que apenas outros três times brasileiros venceram no estádio: Santos, Cruzeiro e Fluminense. O outro grande de Belém também teve um bom ano, disputando a Série B, a equipe ficou atrás apenas de Botafogo e Palmeiras na primeira fase da competição, e perdeu o acesso a elite apenas na segunda.

Em 2013 a situação é bem diferente, o Remo fez um campeonato paraense ruim,  e perdeu a vaga na Série D deste ano para o Paragominas, ficando sem divisão. A situação do Papão é melhor, a equipe disputa a Segunda Divisão, no entanto faz uma campanha fraca e está atualmente na zona de rebaixamento.

A torcida não abandonou as duas equipes, o Campeonato Paraense deste ano, teve a terceira melhor média de público do país, com 5.841 pessoas, atrás apenas dos campeonatos mineiro (6.452) e paulista (6.271). A boa marca se deve principalmente ao grande clássico do estado, já que as seis partidas entre Remo e Paysandu, foram responsáveis por 38% do público nos 70 jogos da competição.

Mangueirão lotado, estádio poderia ajudar mais os clubes (Foto: Pedro Cruz / GLOBOESPORTE.COM/PA)

A oportunidade para aumentar ainda mais esta porcentagem, poderia vir com a Copa do Mundo de 2014, caso Belém fosse escolhida como cidade sede, as obras no estádio Mangueirão poderiam atrair um público maior e quem sabe melhorar o desempenho dos clubes do estado, sendo os torcedores, responsáveis por além do apoio, boa parte da renda dos clubes.

As últimas informações sobre repasses de verbas aos dois grandes do Pará, é de 2011, quando a Federação Paraense de Futebol destinou cerca de 1,140 milhões de reais aos clubes. Apenas os clássicos do estadual deste ano, renderam entorno de 3,6 milhões as equipes.

O orçamento é limitado, no começo do ano, Oscar Yamato, gerente do futebol do Paysandu, fez a seguinte declaração, em entrevista:

– Tenho minha visão, minha posição sobre isso. Troco ideias todos os dias com a diretoria. Temos um grupo bom e no momento não é fácil encontrar jogadores superiores aos nossos. Precisamos dar apoio para esse grupo, que é qualificado, pois daqui vamos tirar o aproveitamento para a Série B do Brasileiro. Se necessário, vamos em busca de atletas, mas dependo do orçamento e por enquanto ele está comprometido. Mas futebol se vive de oportunidade e amanhã ou depois, quem sabe, não possa surgir alguém que chegue para somar ao nosso grupo?

Paysandu faz história; e a volta do ídolo

Documentário que mostra a heroica vitória do Papão (Foto: Reprodução)

O grande feito do Papão teve grande homenagem dez anos após a conquista. O clube lançou, o filme: “La Bombonera é nossa”, um documentário que relata a vitória sobre o Boca. No dia 24 de Abril de 2013, exatos dez anos após o 1 a 0, o Paysandu organizou uma grande festa para relembrar do ocorrido. A partida de volta não traz boas memórias ao torcedor bicolor, já que o Boca venceu por 4×2 em Belém e se classificou para as quartas de final do torneio, que acabou conquistando, após bater o Santos na final.E após toda essa reviravolta, quem retornou ao clube foi Iarley. O jogador passou por Boca, Dourados (MEX), Internacional, Goiás, Corinthians e Ceará. Inclusive ganhou a Libertadores e o Mundial de Clubes de 2006 pelo Colorado. Também conquistou a Mundial de 2003 pelo Boca, ano marcante na carreira do jogador.

Iarley, retornou e pode ser a chave para reerguer o clube (Foto: Tarso Sarraf/O Liberal)

Logo na chegada ao clube, o jogador, que marcou o gol do 1 a 0 na Bombonera, deixou claro que desejava voltar ao Papão:

– Eu sempre tive vontade de retornar ao Paysandu, pela história que deixei e pelo carinho que recebi em Belém. Os anos foram se passando e não pude retornar. Mas, agora está concretizado. Agradeço à diretoria do clube e, principalmente, ao meu amigo Vandick por ainda confiar em mim.

No entanto a situação encontrada em Belém é bem diferente, o Paysandu não disputa a Série A, desde 2005, ano em que foi rebaixado, ficando bem longe de jogar novamente a competição continental.

A queda dos grandes do Pará, ano a ano:

2003: Paysandu (Série A); Remo (Série B)

2004: Paysandu (Série A); Remo (Série B)

2005: Paysandu (Série A); Remo (Série C)

2006: Paysandu (Série B); Remo (Série B)

2007: Paysandu (Série C); Remo (Série B)

2008: Paysandu (Série C); Remo (Série C)

2009: Paysandu (Série C); Remo (Sem divisão)

2010: Paysandu (Série C); Remo (Série D)

2011: Paysandu (Série C); Remo (Sem divisão)

2012: Paysandu (Série C); Remo (Série D)

2013: Paysandu (Série B); Remo (Sem divisão)

 

Anúncios

Ações

Information

2 responses

12 08 2013
Eduardo Magrão

Exelente a matéria. Queria deixar os meus parabens para o jornalista. Tenho uma programa de rádio esportivo em Belém, e gostaria de fazer um convite para o Matheus, falar um pouco do que ele sabe da nossa realidade no futebol. Entrarei em contato o mais breve possivel. Att

13 08 2013
kibe96

Muito obrigado.Será um prazer colaborar com vocês.Meu email é matheuzinhogouvea@hotmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: