Aniversário de um Mestre

26 07 2013

Telê Santana completaria hoje 82 anos de idade

Por Diogo Belley

O ex-ponta-direita Telê Santana com a camisa do Fluminense, seu time de coração (Foto: Revista do Esporte)

Há exatos 82 anos nascia, em Itabirito-MG, Telê Santana da Silva. Conhecido como “Fio de Esperança” ou simplesmente como “Mestre”, o ex-jogador e ex-treinador fez história por onde passou. Fosse jogando ou comandando.

A carreira como atleta começou no Itabirense Esporte Clube, um time próximo a casa dele. Fluminense do coração, Telê passou também pelo América de São João Del Rei antes de chegar ao Tricolor carioca. Já nas categorias de base do clube, podia-se notar o futebol vistoso e objetivo do Mestre e, em 1951, foi promovido ao time principal.

Atuando como ponta-direita que voltava para marcar, uma função nova para a época, Telê chamou a atenção do técnico Zezé Moreira por causa velocidade e toques rápidos. Logo no ano de estreia como profissional, fez dois gols no segundo jogo da final do Campeonato Carioca, em uma disputa de três partidas contra o Bangu, sendo fundamental para a conquista do título.

Telê conquistou ainda pelo Fluminense a Copa Rio de 1952, os Torneios Rio-São Paulo de 1957 e 1960, além de mais um Carioca, em 1959. Mas não foram só os títulos que fizeram dele um ídolo da torcida. A dedicação, as jogadas, a entrega e o amor à camisa foram indispensáveis. Graças a essas características veio o apelido “Fio de Esperança”, em um concurso realizado pelo Jornal dos Sports, sugerido pelo dirigente tricolor Benício Ferreira Filho. Ainda como jogador, o Mestre teve passagens por Guarani, Madureira e Vasco.

Foi também no Flu, em 1968, que Telê começou a dar os primeiros passos como treinador. No ano seguinte, conquistou o Carioca em cima do rival Flamengo. O que chamava a atenção era sua filosofia, dizendo que era necessário chegar à vitória com um futebol bonito e ofensivo, não simplesmente vencer a qualquer custo.

Seguindo com a sina vitoriosa, em 1970 ele foi contratado pelo Atlético-MG e conquistou o Campeonato Mineiro daquele ano e o Brasileirão de 1971. No Grêmio, também fez história, e em 1977, conquistou o Gauchão, tirando do Internacional a soberania imposta no Rio Grande do Sul.

Em 1980, após passagem promissora pelo Palmeiras, porém sem títulos, Telê Santana chegou à seleção brasileira. O grande objetivo era a conquista do tetracampeonato na Copa do Mundo de 1982, na Espanha. O futebol apresentado por aquela seleção não era visto desde a Copa de 70. Alguns comentaristas chegam a dizer que o time de Telê foi até melhor que o de Zagallo. Mas a trágica derrota por 3×2 para a Itália acabou eliminando o Brasil.

Telê ao lado dos goleiros convocados para a Copa de 86 (Foto: Fio de Esperança – Biografia de Telê Santana)

A Copa do Mundo em 1986, no México, serviu como uma nova chance para Telê e seus comandados. Mas novamente o excelente time com Zico, Sócrates, Falcão, e outros craques que também compunham a Seleção de 82 foi eliminado, dessa vez para a França.

Com a sequência de derrotas, o ex-jogador do Fluminense foi rotulado como pé frio. Imagem que foi ampliada após, na segunda passagem pelo Palmeiras, perder o título Paulista de 90. Mas uma carreira tão vitoriosa não poderia acabar de tal forma, até que outro Tricolor apareceu na vida dele e ele foi contratado pelo São Paulo.

O trabalho no clube do Morumbi não seria fácil, já que Telê pegou um time que havia feito uma péssima campanha no Paulista de 90. Mas o apelido de Mestre não veio por acaso e ele soube, como o excelente ponta-direita que foi, driblar as adversidades. Jogadores como Raí, Cafu e Leonardo tiveram chances com o técnico, e logo no primeiro ano o São Paulo foi vice-campeão brasileiro.

Com a base mantida e com a chegada de novos atletas, Telê conquistou os campeonatos Paulista e o Brasileiro de 1991. Foi essa época que deu início a uma das fases mais vitoriosas da história do São Paulo e que o treinador passou a ser chamado de “Mestre”. Não é por acaso que a torcida se remete a esse período como a “Era Telê”.

Nos anos seguintes, o técnico ajudou o clube a conquistar mais um Campeonato Paulista, em 1992, as Libertadores da América e os Mundiais Interclubes de 1992 e 1993, a Supercopa Libertadores de 93 e as Recopas Sul-Americanas em 93 e 94, além de diversos torneios amistosos e fazer com que a torcida do São Paulo crescesse imensamente durante a década de 90. Com tudo isso, o rótulo de “pé frio” nunca mais foi lembrado.

Ao lado de Raí, Telê exibe a Taça Libertadores da América (Foto: Reprodução/São Paulo)

Após sofrer uma isquemia cerebral em janeiro de 1996, a carreira dele teve de ser interrompida. Ele passou a ter uma saúde bastante debilitada, com dificuldades na fala e na locomoção.  Em 2003, fez uma cirurgia para amputar parte da perna esquerda, mas três anos depois, no dia 21 de abril de 2006, faleceu.

Telê Santana da Silva é lembrado até hoje por todos os amantes do futebol, seu nome ecoa pelas arquibancadas do Brasil. Há mais de seis anos um Fio de Esperança brilha no céu. Parabéns e obrigado, Mestre! 

Anúncios

Ações

Information

One response

27 07 2013
odair

Parabéns ao jornalista desta matéria sobre Telê Santana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: